POP TV
Publicada em 05/08/2017 - 21h31min

Estadão Conteúdo
'O Rico e Lázaro'

Eterna busca do poder e da glória

Foto: Munir Chatack/Record

Para Angelo Paes Leme, seu personagem Nebuzaradã foge do rótulo de mocinho ou vilão, revelando-se alguém com traços muito fortes de ambição
Angelo Paes Leme tenta humanizar Nebuzaradã, seu personagem em 'O Rico e Lázaro' (Record). No entanto, fica claro na trama de Paula Richard que o chefe da guarda real seguiu por um caminho de busca por poder e glória que não tem volta. E que, após a morte da mulher, a princesa Kassaia (Pérola Faria), não poupará ninguém para se tornar o rei no lugar de Nabucodonosor (Heitor Martinez) e do cunhado, Evil-Merodaque (Kayky Brito).
"Para fugir do arquétipo do vilão e do mocinho, acho que o Nebuzaradã tem traços muito fortes de ambição. Consequentemente, não vai medir esforços para conseguir o que quer. Nesse caso, você tem a figura do rei, que é a maior de todas entre os homens", observa o ator. Como combustível da ambição de Nebuzaradã está sua amante Sammu-Ramat (Christine Fernandes). A sacerdotisa é quem o instiga a traçar um plano para obter o trono da Babilônia, depois de assassinar a esposa do amado. Segundo Angelo, Nebuzaradã acredita que, só conquistando esse posto, encontrará a felicidade que nunca foi capaz de conhecer.
"A aliança com Sammu-Ramat aumenta sua ganância. Ela o faz acreditar que é capaz de chegar a um lugar que ele nunca imaginou: o trono. Isso mexe com a cabeça dele. Nebuzaradã é fiel a Nabucodonosor, mas trilha seu próprio caminho e quer ganhar espaço", adianta.
'O Rico e Lázaro' não é a primeira trama bíblica do ator. Antes disso, em 2013, Angelo protagonizou a minissérie 'José do Egito', em que deu vida ao personagem-título. Por isso, percebe que as histórias com esses temas possuem sempre personagens em situações-limite, onde as decisões a serem tomadas são em busca da sobrevivência e mexem com a emoção das pessoas. Elas criam uma aproximação imediata com sentimentos que são universais, como o amor e o ódio, fazendo um retrato da humanidade.
"Nebuzaradã é um dos personagens mais difíceis que já interpretei. Eu vinha do 'José', que emana amor, bondade e fé, e encontrei em 'O Rico e Lázaro' outras tintas. Queria que o público visse o que há por trás dessa armadura, tento mostrar o lado frágil dele e as razões que o levam a agir de maneira agressiva e premeditada", confessa.
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos