Brasil e mundo
Publicada em 26/08/2017 - 21h59min

Estadão Conteúdo
Fundo Postalis

Renan Calheiros é alvo de um novo inquérito no STF

Foto: Divulgação

Calheiros responde agora a 18 inquéritos
O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a abertura de um novo inquérito contra o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), para apurar se o parlamentar recebeu propina em um esquema de desvio de recursos do Postalis, fundo de pensão dos Correios, que teria como operador Milton Lyra, lobista ligado ao peemedebista.
O caso estava sob sigilo até a última quinta-feira, quando Barroso resolveu dar publicidade após a Procuradoria-Geral da República (PGR) dizer que não havia mais necessidade de tramitação em segredo de Justiça. Denunciado na sexta-feira como suposto beneficiário de um esquema de desvios a partir de contratos da Transpetro, o ex-presidente do Senado agora passa a responder a 18 inquéritos no Supremo, sendo que em um destes a Corte já recebeu a denúncia, em dezembro, tornando-o réu.
As investigações preliminares apontam operações financeiras milionárias realizadas pelo fundo Postalis com a compra de papéis de empresas de fachada que seriam geridas por Lyra e Arthur Machado. O inquérito tem suporte de delações de Nelson Melo, dono da Hypermarcas, de Delcídio do Amaral, ex-senador cassado, e do doleiro Alberto Youssef, além de relatórios de inteligência financeira.
"Algumas destas operações consistiam na criação de empresas com o objetivo de emitir debêntures que seriam integralmente adquiridas pelo fundo Postalis, chegando os investigados Milton Lyra e Arthur Machado a captar R$ 570 milhões do fundo em investimentos que, como afirma o Ministério Público, 'nunca saíram do papel'", assinalou Barroso na decisão em que autorizou a abertura do inquérito, no dia 9 de agosto.
O ministro assinala que um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) aponta movimentação financeira incompatível com o faturamento das empresas de Lyra. Procurado pela reportagem, o senador, que foi presidente do Senado, negou irregularidades. (E.C.)
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos