Artigos
Publicada em 20/09/2017 - 23h27min

Cedric Darwin

Revolução

Uma nova revolução começou: a nova matriz energética para veículos automotores, a eletricidade. Tesla é uma indústria automotiva americana que não consegue atender a demanda por seus veículos elétricos. Carros comuns movidos à bateria.
O grande impeditivo ainda é a autonomia, problema que também já existiu nos celulares e será superado. As tradicionais montadoras já se movimentam no sentido de implantar carros híbridos em larga escala com motores a combustão e elétrico. Alguns países europeus já legislam para o fim da emissão total de poluentes.
O fim definitivo do consumo de combustíveis fósseis irá destruir economias inteiras. A indústria do petróleo verá a extração ser drasticamente diminuída, assim como o refino e distribuição, postos de combustíveis, fábricas de motores, mecânicas, óleos e lubrificantes em geral serão tão impactados que praticamente deixarão de existir.
Muitos imaginam que essa realidade está distante, que ainda se exige longos vinte ou trinta anos, que a indústria do petróleo vai impedir essa revolução, mas isso é muito pouco provável. Ninguém tem dúvida do poder econômico de empresas de telecomunicações, mas após o Whatsapp as receitas dessas gigantes companhias com a transmissão de voz desapareceram.
Hoje a maioria senão todas as concessionárias de telefonia oferecem planos de fale à vontade para qualquer número, de qualquer operadora. Isso não acontece porque são boazinhas, mas porque esse serviço já não tem nenhum valor após o uso intensivo do WhatsApp. O que ainda mantém as operadoras de telefonia é o custo e a limitação do sinal de Internet.
Quando algum produto, serviço ou aplicativo democratizar esse acesso, será o fim da última fonte de receita fácil dessas gigantes. Assim, como o Uber revolucionou o transporte de passageiros, a Netflix revolucionou o modo de assistir "TV", o carro elétrico e a energia solar vão revolucionar a economia e a vida das pessoas e isso será tão breve e veloz quanto a evolução do celular ao smartphone.
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos