Cidades
Publicada em 30/01/2018 - 20h56min

Luana Nogueira
Legislativo

Câmara decide a composição das Comissões Permanentes

Vereadores se reuniram ontem à tarde para decidir presidência e os membros que integrarão os vários grupos

Foto: Diego Barbieri/CMMC

Das 14 comissões, apenas a de Obras e Habitação será definida na próxima terça
A composição das comissões permanentes da Câmara de Mogi foi definida na tarde de ontem durante reunião entre os vereadores. Das quatorze, apenas a de Obras e Habitação será definida na próxima terça-feira, dia 6, quando as sessões ordinárias serão retomadas. Na data também serão definidos os presidentes dos grupos. O prefeito Marcus Melo (PSDB) é aguardado para participar da primeira sessão do ano.
Durante a reunião, os vereadores não entraram em consenso na formação da Comissão de Obras e Habitação. Cada comissão conta com um presidente e dois membros, mas, nesse caso, quatro parlamentares pleiteavam a entrada no grupo. São eles: os vereadores Carlos Evaristo da Silva (PSD), Antonio Lino da Silva (PSD), Emerson Rong (PR) e Rodrigo Valverde (PT). Foi apurado que a vaga da presidência da comissão deve ficar com Carlos Evaristo da Silva.
O vereador Protássio Ribeiro Nogueira (PSD) é apontado como pretenso presidente da Comissão de Justiça e Redação. "Ela é uma comissão muito importante, pois todos os projetos passam por ela. Participo há 10 anos, pois gosto e porque tenho um assessor que é advogado, que me ampara e com quem posso discutir os projetos", destacou.
Até pouco depois do encerramento da reunião, a formação da Comissão de Meio Ambiente estava incerta, já que o vereador Caio Cunha (PV) pleiteava a entrada no grupo junto com os vereadores José Francimário Macedo (PR), Nogueira e Otto Rezende (PSD). A composição seria definida em plenário, mas Cunha acabou abrindo mão. Para ele, houve "retaliação" em decorrência da votação de projetos polêmicos no fim ano passado.
O presidente da Câmara, Pedro Komura (PSDB), avaliou que a formação das comissões ocorreu de maneira tranquila e negou que tenha havido retaliações. "Foi uma conversa entre as lideranças dos partidos. Os critérios para a formação foram o tamanho, representatividade e conversa das siglas. Todos os vereadores foram contemplados. Cada um deles sabe qual a linha de atuação dos vereadores", ressaltou.
Sobre o primeiro mês à frente da Câmara, Komura informou que já iniciou algumas mudanças. O presidente afirmou que, ainda nesse primeiro semestre ,espera colocar em prática a informatização do processo legislativo. Em relação aos projetos de lei, ele elencou o de cessão da área para o Sesc, o Estudo de Impacto de Vizinhança e ainda a revisão do Zoneamento.
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos