Cidades
Publicada em 10/07/2018 - 22h07min

Luana Nogueira
a partir de agosto

Câmara pede suspensão de multas dos novos radares

Vereadores cobram revisão da velocidade máxima permitida dos equipamentos móveis que serão instalados

Foto: Marcelo Alvarenga/CMMC

Diegão não é contra a fiscalização, mas pede critério para não prejudicar população
A Câmara quer que a Prefeitura de Mogi das Cruzes suspenda a emissão de multas dos 35 pontos de radares móveis que entrarão em operação a partir do dia 1 de agosto (leia mais na página 3). Os parlamentares argumentam que existem inconsistências nas velocidades máximas previstas para diversas vias. A moção, de autoria do vereador Diego Martins (MDB), contou com a assinatura de 21 vereadores. Hoje, às 14 horas, o secretário de Transportes José Luiz Freire de Almeida participará de uma reunião de trabalho com os parlamentares para discutir o assunto.
Para o autor da moção, a fiscalização para os motoristas que excedem a velocidade é justa, no entanto, as velocidades máximas têm que ser compatíveis. "No cruzamento entre as avenidas Japão com a Julio Simões será implantado um radar, mas com a velocidade de 40 quilômetros por hora, se soltar o carro em ponto morto já passa a velocidade. Essa é uma via de trânsito rápido. Precisamos conscientizar a prefeitura e o secretário de Transportes que esse não é o caminho. Ninguém é contra o monitoramento, mas os radares móveis não educam", ressaltou.
A expectativa é que os vereadores apresentem um requerimento solicitando informações sobre a destinação dos recursos arrecadados com o pagamento das multas. "Temos na avenida Francisco Rodrigues Filho 13 pontos de monitoramento. Tem um em que velocidade permitida é de 50 km/hr, mas que depois de 100 metros já é 60 km/hr. Qual é o critério?", avaliou o vereador Mauro Araújo (MDB).
O vereador Caio Cunha (PV) cobrou a intensificação da educação dos motoristas. "Cadê a reversão dos valores das multas na educação de trânsito? Precisamos de um programa educacional propositivo e que dê resultado", disse.
O parlamentar Mauro Margarido (PSDB) lembrou das sanções impostas aos motoristas que excedem a velocidade permitida. "Com quatro multas médias ou cinco leves o motorista já atinge os pontos da carteira. Pelo processo administrativo do Detran (Departamento Estadual de Trânsito) a pena mínima é a suspensão de seis meses. Imagina um cidadão que depende do carro para trabalhar ficar esse tempo sem dirigir", acrescentou.
Entrave
Araújo criticou durante a sessão de ontem o serviço de emissão de notas fiscais do site da prefeitura. De acordo com o medebista, os comerciantes estão enfrentando dificuldades para acessar o serviço. "Já falei com o secretário de Finanças Aurílio Caiado e ele disse que a empresa responsável foi notificada e multada, mas o problema persiste. A prefeitura precisa de uma ação efetiva, como romper o contrato, o que ocorreu com o pátio municipal", disse.
Compartilhe

Video

Mais vistos