Esportes
Publicada em 10/07/2018 - 22h01min

Estadão Conteúdo
mão na taça

França vence Bélgica na semi e encaminha o bicampeonato

Em jogo sem brilho, melhor para os favoritos franceses, que enfrentarão o vencedor entre Inglaterra e Croácia

Foto: RODRIGO VILLALBA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Sem os principais postulantes ao título, franceses têm caminho livre para o bi
Na Copa do Mundo das zebras e das novidades, haverá tradição na final do próximo domingo. A França bateu a Bélgica por 1 a 0 ontem, em São Petersburgo, e é a primeira equipe a garantir vaga na decisão do título. Os campeões mundiais de 1998 controlaram o ímpeto da sensação do torneio e mesmo com uma média de idade do elenco de apenas 26 anos, mostraram maturidade para provar que merecem, sim, disputar a taça.
A vitória coloca a França na terceira final de Copa da sua história, todas nos últimos 20 anos. Se em 1998 e 2006 a equipe era liderada por Zidane e não chegou à decisão como grande favorito diante de Brasil e Itália, desta vez tem um repertório mais amplo de craques e o peso da expectativa. Quem eliminou Argentina, Uruguai e Bélgica faz a torcida esperar de forma eufórica por um dos azarões: Croácia ou Inglaterra, seleções que se enfrentam hoje na outra semifinal, às 15 horas (de Brasília), em Moscou.
Algoz da seleção brasileira na última sexta-feira, a Bélgica viu se encerrar o sonho de buscar um inédito título mundial e agora fará a decisão do terceiro lugar contra os perdedores do duelo entre croatas e ingleses, no próximo sábado, às 11 horas (de Brasília), novamente atuando em São Petersburgo. A decisão será no domingo, às 12h, em Moscou.
Bélgica e França foram as equipes mais talentosas desta Copa até aqui e fizeram uma partida mais de estudo e não tanto de brilho técnico. As duas jovens gerações demonstraram maturidade de veteranos ao não decidirem vaga em uma final de Mundial por individualidades ou apenas no apetite de ganhar. Foi uma semifinal de paciência e análise, definida por uma cobrança de escanteio.
O confronto entre dois países que tanto se conhecem ofereceu dificuldades aos técnicos. Em campo, as duas equipes tinham jogadores companheiros em clubes como Chelsea, Tottenham e Manchester United. Na tribuna de honra, até a família real belga e o presidente francês dividiam espaço. Portanto, todos sabiam que seria difícil surpreender o adversário. Era preciso buscar um fator de desequilíbrio. A França aposta na velocidade e a Bélgica, na organização.
Com gol de Umtiti, porém, a França se garantiu como a primeira finalista da Copa 2018.
Compartilhe

Video

Mais vistos