Artigos
Publicada em 30/01/2020 - 02h47min

Cedric Darwin

Vergonha

Após o desastre da reforma da Previdência, hoje existem dois milhões de pedidos de benefício ao INSS em atraso. Atraso, nesse caso, significa que se passaram mais de 45 dias do pedido sem uma resposta. São mais dois milhões de segurados obrigatórios que aguardam um sim ou um não do INSS. Em razão desse caos, o presidente do INSS perdeu o cargo.
Rogério Marinho, o ainda secretário especial de Previdência veio a público informar que o INSS não tem sistema de informática atualizado de acordo com a nefasta reforma. Pedidos com base na nova lei previdenciária sequer são processados. Pior do que reconhecer publicamente a incompetência gerencial é afirmar com a maior tranquilidade que antes de março não há nenhuma perspectiva de que o novo sistema comece a funcionar. Não bastou a reforma da Previdência cortar milhares de benefícios, agora nem mesmo aqueles que sobraram são analisados.
A brilhante solução do governo seria a contratação de sete mil militares da reserva para o trabalho. Uma ideia sem pé nem cabeça, pagar para militares que já recebem benefícios enquanto 12 milhões de desempregados esperam uma oportunidade é mais um tapa na face da sociedade. Porque militares aposentados? Porque não serventuários do INSS aposentados?
Tratando-se de servidores públicos, ainda que contratados em caráter emergencial não é lícito e muito menos moral eleger uma determinada classe de servidores já aposentados para trabalhar e receber dinheiro público. O que não pode é escolher quais aposentados serão contratados sem concurso público para receber um abono para trabalhar para o INSS. O que assistimos atônitos é mais uma demonstração do descaso, indiferença e menosprezo pelos mais pobres e menos afortunados. Gente desamparada que precisa da Previdência Social para qual contribui de forma obrigatória com o desconto em folha de pagamento e quando dela mais necessita fica desamparado. Vejamos até quando Rogério Marinho continuará massacrando a população mais pobre desse país.
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos