Cidades
Publicada em 13/02/2020 - 23h23min

Vitor Gianluca*
Agricultura

Ceagesp afasta risco e agora tenta normalizar situação

Companhia que distribui hortaliças para Região Metropolitana quer regularizar abastecimento até fim de semana

Foto: Divulgação

Prejuízo nos galpões de distribuição já foi grande, meta agora e minimizar consequências e agir rápido
A Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) informou que o abastecimento de hortaliças, provavelmente, será normalizado até o final de semana, "afastando de vez o fantasma do desabastecimento".
Os serviços de limpeza e coleta continuam sendo feitos no local, que fica na avenida Doutor Gastão Vidigal, Vila Leopoldina, na capital paulista. Segundo a Ceagesp, o trabalho chegou a ser interrompido para que os guinchos pudessem retirar os caminhões quebrados que ainda se encontravam em algumas ruas internas do Entreposto. Já foram retirados cerca de 200 toneladas de lixo.
Segundo a companhia, os portões do Entreposto Terminal São Paulo estão abertos há dois dias para a entrada das mercadorias. Segundo a Ceagesp, já se pode notar um aumento de 30% na quantidade de veículos para a carga e descarga das frutas, legumes e verduras. Até que a situação seja normalizada, as vias de acesso permanecerão abertas 24 horas. Com relação ao preço dos produtos, a equipe de economia da Ceagesp ainda está coletando dados e dará um posicionamento sobre o assunto.
A Ceagesp estima que o prejuízo em decorrência da inundação tenha sido de R$ 24 milhões, além da dificuldade de distribuição, já que no Brasil a logística é feita prioritariamente por caminhões. Os eventos marcados antecipadamente irão ocorrer normalmente, como a feira de flores e a feira de pescados, no Frigorífico São Paulo.
O secretário de Agricultura Renato Abdo disse que o desabastecimento afetaria somente os produtores que entregam mercadorias no local. Já sobre o abastecimento de produtos, o secretário disse que mercados e feiras do município seriam afetados.
O presidente do Sindicato Rural de Mogi das Cruzes, Gildo Takeo Saito, comentou sobre o estado da agricultura após as pancadas de chuva que atingiram a cidade. Ele citou que a mudança repentina da temperatura é um fator que muito preocupa os cultivadores. "Considerando que o solo está úmido pelas chuvas, a mudança repentina da temperatura, aumentando para cerca de 30ºC, fará com que as raízes das plantações cozinhem e a qualidade fique inferior", afirmou Saito.
Satisfação
A administração da CEAGESP disse que, em conjunto com os comerciantes, está realizando todos os esforços necessários para que a comercialização no Entreposto Terminal São Paulo retorne à normalidade o mais rápido possível, com o abastecimento de alimentos de qualidade e seguros à saúde da população.
*Texto supervisionado pelo editor. 

Mogi segue em estado de atenção

A Prefeitura de Mogi das Cruzes continua em estado de alerta com relação ao nível do rio Tietê. Na última medição, na manhã de ontem, o nível do rio era de 3,4 metros, segundo o ponto de medição do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), localizado na Ponte Grande

A Prefeitura de Mogi das Cruzes continua em estado de alerta com relação ao nível do rio Tietê. Na última medição, na manhã de ontem, o nível do rio era de 3,4 metros, segundo o ponto de medição do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), localizado na Ponte Grande. O limite de transbordamento do rio é de 3,6 metros.
A prefeitura também informou que mantém contato constante com o DAEE sobre a situação dos rios e represas da cidade. O DAEE, inclusive, faz parte da Operação Verão no município, que é coordenada pela Defesa Civil, com prioridade o monitoramento das chuvas, cursos d'água e o atendimento a problemas causados pelas chuvas.
O Condemat também acompanha a situação sobre as comportas da Barragem da Penha e mantém o alerta nas cidades da região. "A melhora do tempo nesta quarta-feira e quinta-feira foi fundamental para a situação não se agravar no Alto Tietê", afirmou em nota.
Já o vereador Diego de Amorim Martins (MDB), Diegão, irá propor à prefeitura que instale ecobarreiras nos principais rios e córregos de Mogi, com o objetivo de diminuir a quantidade de lixos jogados nos locais, sem atrapalhar o fluxo da água e os peixes. (V.G.)
Compartilhe
Comentários
Comentar

Video

Mais vistos