Brasil e mundo
Publicada em 30/07/2020 - 02h10min

Estadão Conteúdo
Operação Lava jato

Serra se torna réu por lavagem de dinheiro

Senador e ex-governador de São Paulo, tucano terá de explicar suposto dinheiro recebido em troca de benefícios para empreiteira Odebrecht

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

José Serra, ao lado da filha Verônica, é acusado de receber propina da Odebrecht
O senador e ex-governador de São Paulo, José Serra (PSDB-SP), e sua filha, Verônica Serra, se tornaram ontem réus na Operação Lava Jato, após o juiz Diego Paes Moreira, da 6ª Vara Criminal Federal, aceitar denúncia apresentada pela força-tarefa bandeirante no último dia 3.
O tucano é acusado de receber propinas da Odebrecht entre 2006 e 2007 em troca de benefícios para a empreiteira nas obras do Rodoanel Sul. A Lava Jato de São Paulo apontou que os pagamentos foram ocultados por meio de transações financeiras envolvendo offshores constituídas por Verônica Serra e o empresário José Amaro Ramos, apontado como operador do esquema.
"José Serra e Verônica Allende Serra, entre 2006 e, ao menos, 2014, ocultaram e dissimularam, por meio de numerosas operações bancárias, a natureza, a origem, a localização e a propriedade de valores sabidamente provenientes de crimes, notadamente de corrupção passiva e ativa, de fraudes à licitação e de cartel, praticando, assim, atos de lavagem de capitais", resumem os procuradores da Lava Jato na denúncia.
Os procuradores apontam que Serra solicitou propina de
R$ 4,5 milhões da Odebrecht e indicou que gostaria de receber o montante no exterior. A denúncia indica ainda que o valor foi pago pela empreiteira 'supostamente para fazer frente a gastos de suas campanhas ao governo do Estado de São Paulo'. Além disso, a Lava Jato diz que Serra recebeu R$ 23,3 milhões entre 2009 e 2010, em contrapartida à liberação de créditos havidos junto à Dersa.
"Neste contexto, realizaram numerosas transferências para dissimular a origem dos valores, e os mantiveram em uma conta de offshore controlada, de maneira oculta, por Verônica Serra até o final de 2014, quando foram transferidos para outra conta de titularidade oculta, na Suíça", indicou a Lava Jato São Paulo.
Compartilhe
Comentários
Comentar

Mais vistos