Cidades
Publicada em 04/07/2020 - 20h10min

Horário ampliado

Ecopontos voltam a funcionar sem restrições

Com a retomada do recolhimento de madeira nos ecopontos de Jundiapeba e do Parque Olímpico, desde a última quinta-feira, os equipamentos voltaram a receber todos os tipos de materiais para os quais foram projetados - além de funcionarem com horário ampliado e receberem também vidro e eletroeletrônicos no sistema de logística reversa, novidades incorporadas recentemente

Foto: Mariana Acioli

Unidade do Jardim Armênia é um dos três ecopontos que atendem o município
Com a retomada do recolhimento de madeira nos ecopontos de Jundiapeba e do Parque Olímpico, desde a última quinta-feira, os equipamentos voltaram a receber todos os tipos de materiais para os quais foram projetados - além de funcionarem com horário ampliado e receberem também vidro e eletroeletrônicos no sistema de logística reversa, novidades incorporadas recentemente. Além disso, durante a pandemia, os ecopontos recebem os catadores da Cooperativa Cata Sampa, que realizam ali o trabalho de triagem e encaminhamento dos materiais recicláveis.
Além da madeira, os ecopontos recebem grande volume de resíduos de construção civil e demolição (entulho), poda de árvores, pneus, móveis velhos, colchões, pilhas, baterias, resíduos metálicos, óleo de cozinha usado, plásticos etc. As unidades atendem apenas os cidadãos, com limite de um metro cúbico por pessoa - as empresas são responsáveis pela destinação de seus resíduos. Em média, as três unidades recebem 400 toneladas de resíduos por mês.
Duas novidades foram incorporadas ao cotidiano dos ecopontos este ano. A primeira foi a implementação de um sistema diferenciado de coleta seletiva de vidros nas três unidades mogianas - Parque Olímpico, Jundiapeba e Jardim Armênia.
Em cada um, foram instaladas duas caçambas: uma para garrafas e outra para vidros planos, espelhos e vidros laminados (de veículos). Uma empresa fica responsável pela colocação e retirada das caçambas e dá destinação final e reciclagem adequada para cada resíduo, sem custos para o município.
A segunda novidade foi o descarte de eletroeletrônicos e eletrodomésticos. A iniciativa marcou o início da ampliação da política de logística reversa na cidade, por meio de parceria com a Associação Brasileira de Reciclagem de Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos (Abree). Os equipamentos que podem ser descartados são aparelhos de ar-condicionado, aspirador de pó, ferro elétrico, liquidificador, micro-ondas, televisão e torradeira, dentre outros.
A iniciativa envolve também a Cata Sampa, cooperativa que atua na cidade e já é parceira da Prefeitura na coleta seletiva. A política municipal de logística reversa inclui os catadores como parte fundamental do processo.
 
Compartilhe
Comentários
Comentar

Mais vistos