Cidades
Publicada em 18/07/2020 - 21h16min

Prejuízo

Empresários lutam pela flexibilização do comércio

Com Mogi das Cruzes inserida na fase amarela do Plano São Paulo de Retomada Econômica há seis dias, alguns empresários continuam defendendo a flexibilização do horário do comércio, com apoio do Sindicato do Comércio Varejista (Sincomércio) e da Câmara de Dirigentes Lojistas Paulista (CDL). O grupo protocolou uma petição ao prefeito Marcus Melo (PSDB), para que cobre o governador do Estado de São Paulo, João Doria (PSDB), a revisão do horário de funcionamento.
Segundo o regramento do Plano São Paulo, é permitido que os locais sejam abertos apenas durante o dia, das 11 às 17 horas, o que limitou a reabertura de alguns estabelecimentos que funcionam no período noturno.
O empresário Pablo Monteiro, dono de um restaurante em Mogi, reforça a importância do apoio dos deputados estaduais Marcos Damásio (PL), André do Prado (PL) e Estevam Galvão (DEM), e dos deputados federais Marco Bertaiolli (PSD) e Marcio Alvino (PL), na cobrança por uma maior flexibilização. "Precisamos ter pelo menos uma flexibilização do horário e que seja possível o estabelecimento abrir ou para o almoço ou para o jantar", disse Monteiro, criticando a regra de abertura até, no máximo, 17 horas. "É preciso que o governador João Doria seja mais coerente e sensível à necessidade desse setor. A flexibilização do horário vai ajudar a preservar empregos e as empresas".
Segundo material publicado pelo Mogi News, na semana passada, o Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Bares e Restaurantes (SINTHORESP), registrou desemprego de 60% de trabalhadores formais nos municípios do Alto Tietê.
Compartilhe

Mais vistos