Artigos
02/06/2016 17:16 Andréia Gonçalves - Andréia Gonçalves é coordenadora de projetos em ERP e autora do blog www.aviajantedotrem.com.br.

No fim

Nascer, viver e morrer

Nascer, viver e morrer. Quem nunca leu isso em alguma frase de impacto por aí? Na verdade, antes de ser isso, essa é a sequência natural de todos nós, independentemente do que cada um acredita sobre o que acontece depois da última etapa.
Quanto mais os anos vão passando, é natural olharmos para trás e pensarmos se as coisas poderiam ter sido diferentes. Talvez alguns caminhos que não deveriam ser trilhados, mas será mesmo?
E uma das perguntas que eu geralmente me pego pensando exatamente isso é: quem estará comigo no dia em que me for? No dia em que a última etapa tão certeira chegar.
Podemos ser a pessoa mais forte do mundo, mas em momentos como alguma doença, nos tornamos frágeis no sentido da carência, onde o que mais queremos é ter alguém para segurar nossa mão, dar um abraço, dar um remédio ou simplesmente estar ali.
Tenho visto tantas pessoas que vão passando pela vida sem criar laços e quando chegam a uma determinada idade acabam solitárias, sofrendo além do que já lhe é imposto. Entendo que é reflexo do seu próprio livre arbítrio, mas não deixa de ser desolador.
Espero ter minhas amigas tagarelando, rindo, contando piadas até o último instante. O sorriso de quem amo com o olhar a recordar sempre, para sempre. Segurar o dedinho do meu filho em minha mão quando for me deitar sempre da mesma maneira que fazemos até hoje. Ter minha família cheia de alegria a me rodear, com novos membros que ainda não conheço. Sentir o abraço daqueles que estarão aguardando minha partida, ouvindo ao longe minha baixinha gritar: "Chegou minha caçulinha".
Tudo bem, espero que isso ainda demore um pouco para acontecer, ainda alguns bons anos, eu torço, mas vou me esforçar para fazer tudo direitinho para que isso possa ser sempre uma realidade.
Acredito que deva ser muito triste partir sem levar tudo isso dentro de mim. Sem ter a chance de dizer: obrigada por estarem do meu lado agora que estou indo para uma outra jornada.
A hora do tchau poderá ser assim, amenizada por um simples até breve!