Editorial

Resultado

13/05/2016 às 06:10
Atualizada em 13/05/2016 às 06:10.
Desde quando a Câmara aprovou o pedido de impeachment, em 17 de abril, o que acompanhamos na mídia foi a presidente Dilma Rousseff (PT) tomando espaço na grade horária para repetir diversas vezes que estava sendo injustiçada, vítima de um suposto golpe. A estratégia não convenceu os parlamentares e ontem ela foi afastada do cargo por até 180 dias. Mas o discurso deve continuar nos próximos seis meses, ainda com possibilidade de ela, posteriormente, voltar ao poder.
O impeachment é dividido em três fases. A primeira já aconteceu, com a aprovação da continuidade do processo na Câmara e no Senado. Agora começa a segunda fase, com as investigações em torno dos motivos de seu afastamento. Só depois é que acontece a terceira e última fase, com o julgamento da presidente, podendo ser retirada do cargo definitivamente ou voltar a comandar o País.
Muitos esperavam o afastamento de Dilma, e isso aconteceu. Mas é inútil imaginar que "apenas" esse traumático processo de impeachment, que ainda está em andamento, irá livrar o Congresso da corrupção, mesmo porque muitos políticos que lá se manterão já estavam no poder durante o mandato da petista. O presidente em exercício, Michel Temer (PMDB), por exemplo, era aliado de Dilma até poucos meses atrás. Mas agora, do outro lado, ele terá a chance de mostrar ao povo que poderá ser reeleito, caso a saída dela seja confirmada.
O desafio é maior ainda para Temer devido ao pouco tempo que ele terá para colocar o País em ordem e mostrar resultados. Mas se não houver um plano econômico para longo prazo, o Brasil continuará com a ferida aberta. Seu governo terá que ser baseado em resultado, resultado e resultado.
É inegável que o processo de impeachment é drástico, assim como é indiscutível que, ao mesmo tempo, ele traz um pouco de esperança para muitos brasileiros. Por isso, uma das prioridades de Temer terá que ser diminuir o número de desempregados, que hoje chega a 11 milhões. Essa será a difícil missão inicial para começar a conquistar os brasileiros.
Com a economia em frangalhos, o presidente em exercício deverá aproveitar o restante de 2016 para expor tudo de errado que vinha acontecendo no governo Dilma e para tentar colocar "a casa em ordem", para que no ano que vem comece a efetivar algumas tentativas de alavancar a economia.
O certo é que até agora não houve vencedores. O momento é crítico e o futuro segue obscuro. Enquanto isso, o País continua sangrando e parado no tempo.
Quem Somos

Fundado por Paschoal Thomeu – circulou em 22 de novembro de 1975. Em 1992, o administrador de empresas e publicitário Sidney Antonio de Moraes adquiriu a marca e relançou o jornal em 27 de outubro. O projeto foi ganhando força e, em 23 de abril de 1997, o jornal, até então preto-e-branco e veiculado apenas uma vez por semana, passou a circular colorido e bissemanalmente. Em 18 de maio do mesmo ano, a circulação foi ampliada para trissemanal e, finalmente, em 21 de junho de 1997 concretizou-se o lançamento do Mogi News diário. São inúmeras ações que, aliadas à qualidade editorial e gráfica, consagram o Mogi News como o jornal mais lido e respeitado do Alto Tietê

Entre em contato:

(11) 4735-8000
[email protected]
[email protected]
[email protected]

Av: Japão, 46 - sala 06 - Vila Ipiranga - Centro - Mogi das Cruzes

© 2022 Todos Os Direitos Reservados Ao Portal News