Opinião

Indignação maior

17/03/2018 às 06:10
Atualizada em 17/03/2018 às 06:10.
O assassinato da vereadora carioca Marielle Franco, ocorrido na quarta-feira passada, comoveu o Rio de Janeiro e o país. Chamou a atenção o crime ter ocorrido em um momento em que a parlamentar criticava a atuação das forças de policias no Estado Fluminense, e também a intervenção militar promovida pela Presidência da República. Um dos caminhos da investigação é saber se Marielle foi morta por policiais numa emboscada, ou numa tentativa de assalto. No entanto isso será apurado, já que, qualquer afirmação fora de hora pode ser precipitada. Na ação, vale lembrar que o motorista dela, Anderson Pedro Gomes, também foi atingindo pelos disparos e morreu.
Mas o que vem chamando a atenção nas redes sociais são os comentários de algumas internautas sobre a repercussão da morte de Marielle. Alguns compadecidos e revelando até um certo luto, enquanto outros explicam que muitas pessoas morrem assassinadas todos os dias no Brasil e a maioria das pessoas não se importa.
Existe hoje uma corrente mundial de amor à humanidade, mas ódio ao vizinho de porta. Todos os homens e mulheres de bem que foram vítimas de homicídios, entre eles os mais de cem policiais vitimados no ano passado, merecem o mesmo respeito que a vereadora está recebendo. O crime contra a sua vida é merecedor de igual revolta, entretanto, o que está em questão no caso da parlamentar parece ser algo que transcende um 'simples' assassinato.
Já foi ventilado que a legisladora era negra, pobre e que morava em favela. Seu esforço para cursar o ensino superior foi hercúleo, porém, quando ela foi morta, não foi somente a pessoa que morreu, junto com ela pode ter morrido uma população que já não tinha tanta voz na segunda capital mais importante do Brasil. Junto com ela pode ter morrido uma população que, todo dia, precisa encarar o Cristo Redentor de braços abertos, mas a cidade de cara fechada. Esse é o maior motivo de indignação. Mas o pior ainda pode estar por vir, quando decidirem que Marielle foi apenas mais uma vítima da criminalidade e seu nome ser completamente esquecido.
Quem Somos

Fundado por Paschoal Thomeu – circulou em 22 de novembro de 1975. Em 1992, o administrador de empresas e publicitário Sidney Antonio de Moraes adquiriu a marca e relançou o jornal em 27 de outubro. O projeto foi ganhando força e, em 23 de abril de 1997, o jornal, até então preto-e-branco e veiculado apenas uma vez por semana, passou a circular colorido e bissemanalmente. Em 18 de maio do mesmo ano, a circulação foi ampliada para trissemanal e, finalmente, em 21 de junho de 1997 concretizou-se o lançamento do Mogi News diário. São inúmeras ações que, aliadas à qualidade editorial e gráfica, consagram o Mogi News como o jornal mais lido e respeitado do Alto Tietê

Categorias
Entre em contato:

(11) 4735-8000
[email protected]
[email protected]
[email protected]

Av: Japão, 46 - sala 06 - Vila Ipiranga - Centro - Mogi das Cruzes

© 2022 Todos Os Direitos Reservados Ao Portal News