Claudia Raia assume curadoria de teatro no Instituto Tomie Ohtake

Raia escolheu atividades com curadores profissionais
Raia escolheu atividades com curadores profissionais - FOTO: Divulgação/Espaço Teatral
O teatro de 627 lugares entre as elegantes e sinuosas linhas que marcam a arquitetura do Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, passou a ser conhecido no início do mês como _Teatral (leia-se Espaço Teatral). Trata-se do primeiro passo de uma nova proposta de gestão, cuja direção geral será de Claudia Raia - a atriz foi convidada pela Prevent Senior, operadora de planos de saúde que buscava um teatro, para ser a responsável pela programação.
O espaço de cultura está localizado na avenida Brigadeiro Faria Lima, 201, bairro de Pinheiros, em São Paulo. Informações pelo site: www.espacoteatral.com.
Tudo começou, na verdade, com um susto. "Eles me pediram ajuda para encontrar um espaço teatral disponível na cidade e, quando consegui, fui surpreendida pelo convite para assumir o comando", contou Claudia ao jornal O Estado de S. Paulo. "Fiquei lisonjeada e, mesmo com minha agenda complicada, decidi aceitar, pois quero pôr em prática o que penso da cultura." Claudia é conhecida pelo talento em cena e também nos bastidores, onde atua como exímia produtora. Assim, já dotada por um senso organizacional, ela determinou os sete pilares da cultura que vão direcionar a programação do _Teatral.
"Escolhi sete atividades, que terão como curadores profissionais criativos e especializados em suas áreas", conta Claudia, cujo convite foi recebido com entusiasmo pelos 14 artistas. O time é formado por Carlos Bertolazzi e Mariella Lazaretti (gastronomia), Ana Botafogo e Rodrigo Pederneiras (dança), Rubens Ewald Filho e Ingrid Guimarães (audiovisual), Adriana Calcanhotto e Rogério Flausino (música), Thalita Rebouças e Fernanda Souza (cultura jovem), Débora Falabella e José Possi Neto (teatro), e Felipe Andreoli e Fernanda Gentil (esporte). "Todos me dão sugestões, buscam dados inéditos, promovem a junção do novo com o legado", conta a diretora-geral.
Assim, o teatro que já se chamou GEO e, mais recentemente, Cetip abre as portas para a diversidade, com uma programação que vai ocupar também as salas de ensaio e o saguão - é ali, por exemplo, que os espectadores, enquanto aguardam a entrada na grande sala de espetáculo, vão acompanhar a performance de artistas ainda desconhecidos. 
O teatro recebe, desde quinta-feira, dia 9, a continuação da temporada de "Chaplin, o Musical", combinada com a exibição de curtas-metragens. Orquestras, como a de Paraisópolis, serão convidadas a se apresentar. Já Adriana Calcanhotto cuida de uma Semana Portuguesa. (E.C.)

Deixe uma resposta

Comentários