Opinião

O legado do Lula

04/09/2018 às 06:10
Atualizada em 04/09/2018 às 06:10.
Lula continua lá. Na madrugada de sexta para sábado, a maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) seguiu o voto do relator Luís Roberto Barroso que indicou o impedimento da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pelo PT, à Presidência da República. Por seis votos contra um, os magistrados acataram a justificativa do enquadramento na Lei da Ficha Limpa para barrar as pretensões do ex-metalúrgico do ABC de retornar ao Planalto. Assim, ele permanece preso em Curitiba, onde completa nesta semana cinco meses de reclusão, e a campanha eleitoral deve ter seu percurso normalizado.
Claro que a equipe jurídica do partido vai buscar todas as alternativas possíveis de recurso, mas o momento é de colocar em prática o plano B: a promoção para a cabeça da chapa do ex-prefeito paulistano Fernando Haddad e a inserção da gaúcha Manuela D'Ávila, do PCdoB, como vice. O que deve ser avaliada agora é a capacidade de absorção de votos da nova dupla. O que não tem demonstrado ser tão eficiente.
Pesquisa do Datafolha sobre a intenção de voto realizada antes do início do horário eleitoral, na semana passada, mostra que apenas 17% dos entrevistados apoiariam Haddad. O curioso é que 4% trocariam Lula, na sua ausência, por Jair Bolsonaro (PSL). Chama a atenção também o índice de 51%, ou seja, mais da metade dos consultados que não sabe para onde caminhar após o afastamento de Lula.
São números interessantes que mostram que o jogo está longe de ser definido. A saída de Lula evidencia uma boa parcela de eleitores disponíveis e são esses votos que decidirão o pleito. O certo é que a liderança do petista não é hereditária dentro do partido e este, por sua vez, depende integralmente de uma guinada de popularidade de Haddad. No vácuo, crescem as expectativas dos candidatos Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Álvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB) e João Amoêdo (Novo).
O início da propaganda política e saída de Lula da disputa devem dar uma boa mexida no caldeirão eleitoral. É esperar para ver.
Quem Somos

Fundado por Paschoal Thomeu – circulou em 22 de novembro de 1975. Em 1992, o administrador de empresas e publicitário Sidney Antonio de Moraes adquiriu a marca e relançou o jornal em 27 de outubro. O projeto foi ganhando força e, em 23 de abril de 1997, o jornal, até então preto-e-branco e veiculado apenas uma vez por semana, passou a circular colorido e bissemanalmente. Em 18 de maio do mesmo ano, a circulação foi ampliada para trissemanal e, finalmente, em 21 de junho de 1997 concretizou-se o lançamento do Mogi News diário. São inúmeras ações que, aliadas à qualidade editorial e gráfica, consagram o Mogi News como o jornal mais lido e respeitado do Alto Tietê

Categorias
Entre em contato:

(11) 4735-8000
[email protected]
[email protected]
[email protected]

Av: Japão, 46 - sala 06 - Vila Ipiranga - Centro - Mogi das Cruzes

© 2022 Todos Os Direitos Reservados Ao Portal News