Opinião

Ódio não colhe amor

Lisandro Frederico
18/09/2018 às 06:10
Atualizada em 18/09/2018 às 06:10.
Primeiramente é preciso dizer que o atentado contra o candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (PSL), é condenável. A facada é mais uma das muitas cenas lamentáveis do atual clima de tensão. Solidarizo-me e fico satisfeito com a corrente de repúdio, que surgiu contra este episódio que pode manchar a campanha eleitoral de 2018.
Feito o prólogo, entro no tema principal deste artigo: "Quem alimenta o ódio, não colherá o amor". Deixo claro aqui que o presidenciável não é o responsável pela facada. Ele é a vítima. Contudo, é inegável que um homem público, que aparece em primeiro lugar nas pesquisas eleitorais, deveria representar e defender os valores de uma república séria, mas, ao contrário, seduz a tirania e outros valores.
O candidato então merecia a facada? É evidente que não. O que Bolsonaro faz é alimentar este ambiente de ódio. Um discurso jamais poderá ser comparado a uma facada, mas as palavras têm o poder de motivar emoções. Palavras têm força e o candidato sabe muito bem utilizá-las. O resultado deste discurso gera aquilo que parece ser a estratégia fundamental da campanha: ame-o ou ame-o odiá-lo. As recentes pesquisas eleitorais mostram eficiência nesta técnica, que parece passar despercebida aos olhos da maioria.
Temo pelo futuro do nosso país e desta campanha presidenciável. Vejo teorias absurdas de ambos os lados. De um lado, os contrários questionam a veracidade da facada, apesar dos boletins médicos. De outros, os dizem as que determinados partidos políticos orquestraram a facada. O Brasil precisa de uma política inclusiva, que respeite nossa diversidade e que una a sociedade em busca de um bem comum. Quem é fiel aos discursos ofensivos somente contribui para a disseminação do ódio e do caos. Uma coisa é protestar contra candidatos e suas propostas. Outra coisa é tentar assassinar representantes políticos.
Espero que o candidato se recupere logo, para que a democracia e o debate retome seu espaço e coloque um fim ao clima de ódio e desrespeito.
Quem Somos

Fundado por Paschoal Thomeu – circulou em 22 de novembro de 1975. Em 1992, o administrador de empresas e publicitário Sidney Antonio de Moraes adquiriu a marca e relançou o jornal em 27 de outubro. O projeto foi ganhando força e, em 23 de abril de 1997, o jornal, até então preto-e-branco e veiculado apenas uma vez por semana, passou a circular colorido e bissemanalmente. Em 18 de maio do mesmo ano, a circulação foi ampliada para trissemanal e, finalmente, em 21 de junho de 1997 concretizou-se o lançamento do Mogi News diário. São inúmeras ações que, aliadas à qualidade editorial e gráfica, consagram o Mogi News como o jornal mais lido e respeitado do Alto Tietê

Categorias
Entre em contato:

(11) 4735-8000
[email protected]
[email protected]
[email protected]

Av: Japão, 46 - sala 06 - Vila Ipiranga - Centro - Mogi das Cruzes

© 2022 Todos Os Direitos Reservados Ao Portal News