Editorial

Para refletir

18/01/2020 às 06:10
Atualizada em 18/01/2020 às 06:10.
Com uma média superior a cinco mortes por dia, apontada no levantamento divulgado anteontem pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) a respeito das estatísticas sobre os atendimentos realizados em hospitais públicos municipais e estaduais, o Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes, figura na lista como o terceiro de São Paulo, tendo registrado 923 óbitos no primeiro semestre de 2019, período que abrange o estudo. À primeira vista, o dado é alarmante, mas desperta, numa leitura mais racional, uma contradição que deve ser avaliada.
Se em número de mortes apenas o Instituo do Câncer do Estado de São Paulo, na capital, com 1.371 ocorrências, e o Hospital de Base de São José do Rio Preto, no interior paulista, com 1.225 casos, estão à frente do Luzia, no registro de procedimentos clínicos e ambulatoriais realizados, o hospital mogiano aparece na 33ª posição do ranking estadual. Os dados levantam uma questão pertinente: como um hospital que contabiliza menos atendimentos que boa parte dos concorrentes no Estado é o terceiro em registro de óbitos?
Não cabe aqui nenhum tipo de dúvida a respeito do levantamento do TCE, órgão reconhecidamente acima de qualquer suspeita e que possui uma postura transparente e séria em sua conduta. Mas a questão divergente precisa ser melhor explicada. A divulgação de estatísticas relacionadas à área da Saúde, principalmente, requer uma interpretação imediata e esclarecedora, a fim de evitar a preocupação das pessoas pela ignorância dos fatos. A própria Secretaria de Estado da Saúde se antecipou ao destacar que o Hospital Luzia de Pinho Melo é referência no Alto Tietê por sua performance em atendimentos de alta e média complexidade.
O que precisa ser considerado no estudo, como em qualquer trabalho científico de relevância, é a utilização dos resultados como embasamento para a correção dos eventuais problemas. Se há algo de errado com o hospital, não é correto de nossa parte nenhum tipo de julgamento, mas a mudança de estratégia no sentido de aprimorar o desempenho já pode ser traçada a partir dos números do TCE.
Quem Somos

Fundado por Paschoal Thomeu – circulou em 22 de novembro de 1975. Em 1992, o administrador de empresas e publicitário Sidney Antonio de Moraes adquiriu a marca e relançou o jornal em 27 de outubro. O projeto foi ganhando força e, em 23 de abril de 1997, o jornal, até então preto-e-branco e veiculado apenas uma vez por semana, passou a circular colorido e bissemanalmente. Em 18 de maio do mesmo ano, a circulação foi ampliada para trissemanal e, finalmente, em 21 de junho de 1997 concretizou-se o lançamento do Mogi News diário. São inúmeras ações que, aliadas à qualidade editorial e gráfica, consagram o Mogi News como o jornal mais lido e respeitado do Alto Tietê

Entre em contato:

(11) 4735-8000
[email protected]
[email protected]
[email protected]

Av: Japão, 46 - sala 06 - Vila Ipiranga - Centro - Mogi das Cruzes

© 2022 Todos Os Direitos Reservados Ao Portal News