Editorial

O nó da questão

21/01/2020 às 06:10
Atualizada em 21/01/2020 às 06:10.
Como toda questão polêmica neste país, o pancadão - sinônimo de entretenimento para os jovens, principalmente os das comunidades periféricas - possui também um lado negativo que é, em primeira instância, representado pelo incômodo gerado aos moradores do entorno onde é realizado, pois seu espaço físico está nas ruas, sem qualquer tipo de aparato que possa reduzir a poluição sonora provocada pelo alto volume das músicas.
Há, porém, um aspecto ainda mais delicado, de cunho social, que preocupa tanto os pais dos frequentadores como a polícia, responsável pela manutenção da ordem e bem-estar das pessoas. Boa parte dos encontros se transforma em agrupamento que reúne, sem nenhum tipo de controle, o trânsito livre de bebidas alcoólicas, a presença de menores de idade e, o mais grave, o consumo de drogas. Assim, o pancadão entra na escala de bomba-relógio, prestes a explodir sem o menor aviso prévio.
A memória do leitor certamente foi conduzida ao episódio de Paraisópolis, em dezembro passado, quando numa destas festas houve um tumulto com a participação da Polícia Militar e que levou ao triste saldo de nove jovens mortos por pisoteamento, dois deles moradores de Mogi das Cruzes. O fato, com este grau de gravidade, é isolado. Porém, o registro de pessoas feridas em brigas entre os jovens, incentivados pelos efeitos das bebidas e das drogas, é frequente. Com base nisto, as autoridades em Mogi realizam um trabalho contínuo de fiscalização nos locais conhecidos, que reduziu bastante a incidência dos problemas.
Não se pode negar o sentido de liberdade e igualdade que as festas dá aos jovens, carentes de opções de entretenimento a baixo custo. Para muitos, o pancadão é a única alternativa acessível de socialização, de universo onde a linguagem comum não traz o ranço da discriminação e preconceito, por isso ele é tão atraente aos jovens. O nó da questão é encontrar o meio termo que não tire a liberdade dos frequentadores, mas que tenha, ao mesmo tempo, tranquilidade e paz para moradores e pais. E que também seja avaliado como ambiente seguro pela polícia.
Quem Somos

Fundado por Paschoal Thomeu – circulou em 22 de novembro de 1975. Em 1992, o administrador de empresas e publicitário Sidney Antonio de Moraes adquiriu a marca e relançou o jornal em 27 de outubro. O projeto foi ganhando força e, em 23 de abril de 1997, o jornal, até então preto-e-branco e veiculado apenas uma vez por semana, passou a circular colorido e bissemanalmente. Em 18 de maio do mesmo ano, a circulação foi ampliada para trissemanal e, finalmente, em 21 de junho de 1997 concretizou-se o lançamento do Mogi News diário. São inúmeras ações que, aliadas à qualidade editorial e gráfica, consagram o Mogi News como o jornal mais lido e respeitado do Alto Tietê

Entre em contato:

(11) 4735-8000
[email protected]
[email protected]
[email protected]

Av: Japão, 46 - sala 06 - Vila Ipiranga - Centro - Mogi das Cruzes

© 2022 Todos Os Direitos Reservados Ao Portal News