Fim do recesso

As câmaras municipais voltam às atividades legislativas nesta semana após o recesso do final de ano e de janeiro. O retorno, porém, será bem diferente de anos anteriores, pois o grupo de legisladores atuais será composto, em grande parte das cidades, por vereadores de primeira viagem. O estigma desta legislatura ficará marcado pela renovação, característica responsável pela eleição de muitos parlamentares. O ranço da política exercida por políticos da velha guarda, que praticamente se eternizaram no poder, aliado ao sentimento de oxigenar as Casas de Lei, levou ao rejuvenescimento das câmaras.
Em Mogi das Cruzes, por exemplo, essa renovação foi de 60,8% - dos 23 eleitos, 14 vão cumprir o primeiro mandato. Uma das surpresas na eleição do ano passado foi Malu Fernandes (Solidariedade), que vai assumir uma cadeira no Legislativo aos 21 anos de idade. Ao lado dela, a veterana Inês Paz (Psol), que já foi vereadora entre 2001 e 2008, e a reeleita Fernanda Moreno (MDB) formarão uma bancada inédita em Mogi com três mulheres.
Eleito presidente para o primeiro ano deste mandato, Otto Rezende (PSD) promete a modernização dos processos na Câmara, além de promover, como disse, maior transparência dos trabalhos legislativos. Hoje, na primeira sessão do ano, ele coloca em votação - e tudo indica que será aprovada - uma proposta para a realização das sessões ordinárias no período noturno a partir de amanhã, sob a justificativa de facilitar o acesso de moradores e ampliar a participação política no Legislativo.
Já em Suzano, a renovação dos vereadores chegou a 47,3%, ou seja, nove dos 19 eleitos estarão em primeiro mandato. A sessão de abertura está marcada para amanhã, a partir das 14 horas, de forma presencial, mas com público reduzido e ocupação máxima de 40% de capacidade, assim como nas outras cidades.
A alternativa de várias câmaras será transmitir as sessões ao vivo por meio das mídias sociais e levar alguma informação ao público que, no geral, não vê atrativos em acompanhar as discussões dos parlamentares e tampouco a aprovação de projetos pouco sedutores, muito pelo contrário. Vamos torcer para que a renovação maciça das carreiras políticas, tanto no Executivo como no Legislativo, possa trazer realmente algo de novo.

Deixe uma resposta

Comentários