Baixas temperaturas resultam em doenças nos ouvidos e no nariz

As otites podem provocam dor de ouvido, perda de audição e até zumbido; pesquisas mostram que 90% das crianças têm pelo menos uma otite até os dois anos de idade
As otites podem provocam dor de ouvido, perda de audição e até zumbido; pesquisas mostram que 90% das crianças têm pelo menos uma otite até os dois anos de idade - FOTO: Divulgação
O inverno traz baixas temperaturas, mas com grandes variações de um dia para o outro (amplitude térmica), além de um ar mais seco, o que provoca muitas doenças respiratórias em crianças, adultos e idosos. Como exemplo, tem as otites, que são infecções virais ou bacterianas que provocam dor de ouvido, perda de audição e, às vezes, até zumbido. Pesquisas mostram que 90% das crianças têm pelo menos uma otite até os dois anos de idade e o pior: quando a otite fica grave, o tímpano pode perfurar de tanta secreção acumulada. Nesses casos, começa a vazar pus pelos ouvidos, aumentando a perda auditiva. A otorrinolaringologista Tanit Ganz Sanchez, com doutorado e livre-docência pela FMUSP, explica como ocorrem essas otites e os seus tipos. "As otites médias costumam ser complicações de gripes e resfriados, ou seja, de problemas que primeiro acometem o nariz e a garganta. Como há uma ligação entre os ouvidos (tuba auditiva), os vírus ou bactérias podem passar para o ouvido e causar a otite. Existem dois tipos: a do inverno, chamada de Otite Média e a do verão, chamada de Otite Externa", informa. Segundo a especialista, que é presidente da Associação de Pesquisa Interdisciplinar e Divulgação do Zumbido (APIDIZ) e undadora do Instituto Ganz Sanchez, o nariz é bastante atingido com a chegada do inverno e fica ruim nessa época por dois três motivos. Ela conta que o primeiro é a temperatura. "O frio diminui os movimentos dos pelos que ficam dentro do nariz. Com isso, eles deixam de expulsar os agressores naturais do meio ambiente e a defesa do corpo fica prejudicada, pois eles não conseguem expulsar os agentes irritantes tão bem como antes", explica. A falta de umidade suficiente é outro fator. Com o ar seco, diminui a hidratação normal das mucosas. Assim, ela sofre uma irritação e começa a produzir muco: "Esse muco no nariz provoca a rinite e a sinusite. Já na garganta, provoca a faringite, e nos ouvidos, a otite. Por isso, as infecções costumam chegar juntas", esclarece. Tanit diz que em relação à amplitude térmica, esse choque térmico também pode fazer com que as implicações das vias respiratórias apareçam rapidamente: "São as grandes mudanças de temperatura que ocorrem no mesmo dia ou de um dia para o outro, ou seja, a temperatura pode cair ou subir até ou mais que 10 graus."

COMO PROTEGER SUA FAMíLIA DAS DOENçAS RESPIRATóRIAS, COMO OTITES, RINITES, SINUSITES, FARINGITES E AMIGDALITES, QUE COSTUMAM PIORAR NO INVERNO:

- Colchão: é preciso forrar e expor ao sol frequentemente.
- Travesseiro: sempre forrados e lavados a cada 15 dias; evite aqueles que são feitos de penas de aves ou de ervas.
- Roupas de cama: orienta-se a lavagem com água quente (>70ºC) e cobri-las com colcha. Troque cobertores por edredons porque acumulam menos poeira e agressores do nariz.
- Bichos de pelúcia, livros e brinquedos: guarde esses objetos que acumulam pó; quanto menos mobília no quarto nessa época, melhor.
- Carpetes: precisam de muita manutenção; aspirar regularmente com filtro de ar HEPA (High Efficiency Particulate Air) e usar acaricidas. O melhor é evitar os carpetes e usar pisos de cerâmica, vinil ou madeira.
- Cortinas: Evitar usá-las ou lavá-las a cada 15 dias; também acumulam muito pó.
- Pelos de animais domésticos: infelizmente, pelos de cães e gatos são fontes constantes de doenças respiratórias. A fumaça de cigarros também é muito prejudicial, mesmo quando se é fumante passivo, ou seja, quando se está no mesmo ambiente em que outras pessoas fumam. Sempre que possível, use filtros ou desumidificadores de ar.

Fonte: Tanit Ganz Sanchez, otorrinolaringologista

Deixe uma resposta

Comentários