Depois de cem dias, Zé Biruta prefere se manter em silêncio

Prefeito não passou informações sobre ações e planos
Prefeito não passou informações sobre ações e planos - FOTO: Daniel Carvalho
Enquanto os prefeitos das maiores cidades da região fizeram questão de prestar contas sobre o trabalho realizado nos primeiros cem dias de mandato, em Ferraz de Vasconcelos, o prefeito José Carlos Fernandes Chacon (PRB), o Zé Biruta, preferiu se manter em silêncio e não passou qualquer informação sobre suas ações.

Sem obras relevantes entregues, com serviços básicos parados, poucas participações em atividades na comunidade e com bastante dificuldade para administrar o município, o prefeito tem enfrentado também a desaprovação da Câmara, que constantemente destaca problemas em diferentes serviços públicos, em especial na Saúde.

Uma de suas primeiras ações ao assumir o comando de Ferraz foi decretar Estado de Calamidade Pública Financeira. Na ocasião, Zé Biruta destacou "que a administração municipal mal tinha recursos para trocar lâmpadas e tapar buracos" e que a dívida da cidade era de R$ 439,6 milhões. A medida possibilitou que a prefeitura obtivesse recursos do governo federal, já que a cidade está impossibilitada de receber qualquer verba da União, por causa das dívidas, incluindo o débito de R$ 200 milhões com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Após a publicação desse decreto, que inclusive já foi anulado no início de março, e apesar da expectativa em relação a ele para recebimento de recursos, pouca coisa evoluiu de fato na cidade. Ações pontuais foram desenvolvidas em algumas secretarias, como uma possível parceria com o Sesi para implantação do "Programa Atleta do Futuro" (PAF). Se efetivada, a aliança poderá garantir espaço e estrutura para que aproximadamente 25 modalidades de esporte sejam ministradas a crianças e jovens ferrazenses de 6 a 17 anos.

Zé Biruta também cobrou ajuda financeira de R$ 4 milhões do Fundo Metropolitano de Financiamento e Investimento (Fumefi), do governo do Estado, para ser aplicada em obras de infraestrutura no município, mas até o momento esses trabalhos não foram realizados. As reclamações sobre buracos nas vias e mato alto são comuns entre os moradores.

Na área de Transporte, o prefeito barrou o reajuste da passagem de ônibus, sendo o único a adotar tal medida no Alto Tietê. Já na Educação, entregou a creche Centro Educação Infantil (CEI) Sementinha II, com capacidade para atender 80 crianças. O chefe do Executivo também anunciou renovação de um convênio para a continuação das obras de uma Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef), localizada na avenida dos Autonomistas.

CâMARA E POPULAçãO CRITICAM SITUAçãO

Vários veículos e máquinas da prefeitura estão sucateados
Vários veículos e máquinas da prefeitura estão sucateados - FOTO: Daniel Carvalho
Com poucas ações que pudessem ser realmente percebidas pela população em seus primeiros meses de mandato, o prefeito José Carlos Fernandes Chacon (PRB), o Zé Biruta, tem sido bastante criticado. Entre as reclamações mais recorrentes estão os problemas com a realização de exames laboratoriais, falta de manutenção até nos cemitérios da cidade, déficit de vagas em creches e veículos e máquinas sucateados.

Os postos de saúde de Ferraz voltaram a fazer a coleta para exames laboratoriais há poucos dias, após dois meses sem oferecer o serviço, que foi suspenso por falta de pagamento ao Laboratório São Paulo, cujo contrato venceu em 1º de março. A dívida arrasta-se desde o final do ano passado. A falta de remédios na rede básica também é outro problema, e a normalização do abastecimento deve acontecer somente em 30 dias.

Ainda em relação à Saúde, a falta regular de coleta de lixo hospitalar nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) foi denunciada pelo vereador Eliel de Souza (PR), o Eliel Fox. O parlamentar apurou que a falha no serviço se deve ao atraso no pagamento da empresa responsável pelo trabalho. A situação pode estar oferecendo sério risco de contaminação a usuários e servidores dos 13 postos de saúde da cidade.

Cemitério

Desde o ano passado sem manutenção, o Cemitério da Saudade apresenta um cenário de completo abandono. Até chegarem ao túmulo dos familiares, os visitantes correm riscos, pois precisam disputar espaço com a sujeira e o mato que não para de crescer nos corredores e entre as campas.

"No dia 12 de março fui visitar o jazigo do meu pai e fiquei chocada com a situação do local. O cemitério está totalmente abandonado e nós, familiares, que já sofremos com a dor da perda de pessoas queridas, ainda temos que enfrentar o descaso da prefeitura que não o preserva", criticou a ferrazense Regina Sanches. "Em alguns jazigos nem é possível chegar para limpar ou acender uma vela. O mato está por toda a parte. É revoltante". Somente após muita reclamação é que a Prefeitura de Ferraz iniciou a limpeza do espaço. (C.M.)

Deixe uma resposta

Comentários