Suzano projeta investimento de R$ 30 mi em quatro anos

A Prefeitura de Suzano prevê um investimento de
R$ 30 milhões para os próximos quatro anos da gestão do prefeito Rodrigo Ashiuchi (PR) - uma média de R$ 7,5 milhões anuais. A projeção foi divulgada na tarde de ontem, durante audiência pública realizada para a apresentação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que estabelece as prioridades e metas, bem como os riscos fiscais da máquina.

A matéria tem o objetivo de manter o equilíbrio entre as receitas arrecadadas e as despesas da administração. A reunião ocorreu no anfiteatro do Serviço de Ação Social e Projetos Sociais (Saspe).

De acordo com o secretário municipal de Planejamento e Finanças, Itamar Corrêa Viana, o aporte que deve ser investido até 2020 em Suzano, segundo a LDO, será angariado por meio da arrecadação de receitas, sendo assim, recursos próprios do Executivo. "Trata-se de um montante proveniente do tesouro local. Dinheiro que nós (governo) recolhemos no município", detalhou.

Apesar da previsão, Viana lembra que, hoje, o cenário da Prefeitura de Suzano é bem diferente. De acordo com ele, em 1º de janeiro deste ano, a administração municipal repassou pouco mais de R$ 500 mil para investimentos. A ideia, porém, é ampliar estes números, fazendo com que a cidade volte a crescer. "Este é um investimento que está sendo projetado para acontecer - R$ 30 milhões em quatro anos. Não quer dizer que nós temos esse montante em caixa. Volto a lembrar: é uma projeção", observou.

De acordo com o secretário municipal, em 2015 (gestão passada), o investimento na cidade foi de R$ 3.277.132,90. No ano seguinte, o valor caiu ainda mais, beirando R$ 2 milhões. A receita de investimentos para 2017, aprovada pelo governo anterior, é de
R$ 552.999,95 mil.

Durante a audiência pública realizada na tarde de ontem e que contou com a participação de funcionários da Secretaria de Planejamento e Finanças, foi compartilhado com o público presente que, desde o início deste ano, a Prefeitura de Suzano já registrou um aumento nas arrecadações, em comparação a anos anteriores.

"Houve uma intensificação nas fiscalizações de obras e de serviços e isso fez, por exemplo, com que a arrecadação do ISS (Imposto Sobre Serviço) aumentasse. Trata-se de uma sequência. Estamos ainda revisando todos os IPTUs (Imposto Predial e Territorial Urbano) e isso vai refletir nos números do ano que vem", complementou Viana.