Lojas fecham portas por medo dos manifestantes

Mercadão resistiu, mas acabou cedendo a pressão
Mercadão resistiu, mas acabou cedendo a pressão - FOTO: Erick Paiatto
As lojas da região central de Mogi das Cruzes baixaram as portas durante a manhã de ontem. A medida foi tomada depois que os manifestantes que protestavam no Largo do Rosário contra as reformas Previdenciária e Trabalhista percorreram as principais ruas de comércio. Alguns comerciantes resistiram.    A iniciativa começou na rua Doutor Deodato Wertheimer, conhecida como Calçadão. Em seguida, foi pelas ruas Barão de Jaceguai, Presidente Rodrigues Alves, Paulo Frontin, José Bonifácio e avenida Voluntário Fernando Pinheiro Franco. Alguns lojistas se recusaram a baixar as portas e os policiais militares que acompanhavam o protesto interviram para evitar possíveis confrontos entre os grevistas e os comerciantes. Os lojistas ouvidos pelo Mogi News afirmaram que fecharam as lojas para evitar confronto e por medo. "Estou fechando por medo de depredarem a loja", afirmou o lojista Donizete Ribeiro, de 50 anos. O comerciante Roberto Hiromi, 38, também cerrou às portas quando os manifestantes se aproximaram da porta de seu comércio. "É unicamente por medo de que possam danificar meu estabelecimento", disse. A maior parte da manifestação foi realizada de forma pacífica. (L.N.)

Deixe uma resposta

Comentários