Risco de fuga fez a Justiça deter Filló

Antes, político de Ferraz estava preso no CDP de Mogi
Antes, político de Ferraz estava preso no CDP de Mogi - FOTO: Erick Paiatto
O risco de fuga do ex-prefeito de Ferraz de Vasconcelos Acir Filló (sem partido) fez com que o Judiciário decretasse a prisão preventiva do político, segundo informações do processo expedido pelo juiz André Forato Anhê, da 3ª Vara Cível da Comarca de Ferraz. A ação corria em segredo de justiça mas já está disponibilizada no site do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP).

De acordo com o documento, pela gravidade dos crimes, o político pode pegar pena de até quatro anos de prisão. Ele foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Mogi das Cruzes, na quinta-feira. Filló foi encontrado em um dos apartamentos de sua propriedade no bairro Anália Franco, na capital.

"Dadas as fortes suspeitas que o cercam e a influência dele, representa sensível risco à ordem pública e à ordem econômica. É de verificar ainda que o réu, se seguir solto, representará risco à instrução processual criminal. Como exposto, é pessoa influente e com poder político local, que não hesitou em lançar mão de vários mecanismos para evitar a investigação em âmbito cível no processo que apura o 'esquema do lixo'", diz o documento.

No processo, o juiz entendeu que, se o político ficar solto, ele pode colocar em risco as investigações, devido a influência que ele têm e as tentativas que já ocorreram. Filló está sendo acusado de fraude e desvio de verba pública. A ação cita o enriquecimento ilícito do ex-prefeito e pode ser condenado a ressarcir os cofres públicos, que tiveram desfalque de R$ 65 milhões.

O processo afirma ainda que Filló era "chefe do grupo criminoso de saqueadores do município", pois articulava compras irregulares e superfaturadas. A Justiça também pediu a quebra de sigilo das contas bancárias do político, que já é citado como réu. "Trata-se de crimes dolosos contra a administração pública, cujas penas, somadas, superam fartamente o limite de quatro anos de prisão, possibilitando a decretação imediata de sua prisão preventiva".

No processo, o juiz lembra de outros crimes cometidos por Filló, inclusive a fraude do contrato da coleta de lixo, em que ele é acusado de superfaturamento, fraude e desvio de verba, que ocasionou o afastamento dele do cargo.

A perseguição contra os procuradores do município também é citada. "Parece nítido que, a fim de evitar a ação da procuradoria na colheita de documentos sobre concorrências suspeitas, especialmente sobre a concorrência objeto destes autos, o prefeito buscou remover e afastar procuradores municipais, agindo de forma contrária ao interesse público e expondo a risco concreto à instrução processual".

Por fim, a Justiça entendeu que há o risco de fuga do réu, que tentou ser localizado em outras ocasiões sem sucesso. Uma das vezes em que o oficial de Justiça tentou encontrá-lo, foi atendido pela esposa de Filló, que afirmou não saber o endereço do político, porque estavam separados. Em outra ocasião, ela informou que o marido estava na casa de parentes em Curitiba, sem a previsão de retorno.

Deixe uma resposta

Comentários