A lista da corrupção

Em meio a tantas "listas" entregues pelo Procurador-geral da República ao Supremo Tribunal Federal, a mais recente, sem dúvidas, é das mais assustadoras, tendo sido determinada a instauração de inquérito contra nove ministros do Governo atual, além de vinte e nove senadores, quarenta e dois deputados federais e outros políticos.

Tais investigações têm início após as delações de executivos da Odebrecht, sendo mais um capítulo do colapso do cenário político brasileiro, no qual perdemos a esperança acerca da honestidade e boa-fé em relação a praticamente todos os políticos, os quais deveriam ser os representantes da sociedade e defender seus interesses.

Contudo, infelizmente, a corrupção enraizada em algumas das maiores empresas brasileiras como práticas familiares, e a ganância e falta de ética e transparência de nossos eleitos fizeram com que nossa crença em bons administradores fosse colocada em xeque, sendo a máquina pública utilizada para fins totalmente divorciados da moralidade, legalidade e probidade.

É vergonhoso ver o desvio escancarado de verbas públicas, pagamentos de propina e "caixa dois", bem como crimes gravíssimos à exemplo da lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, delitos que vitimizam principalmente os que mais precisam dos serviços públicos, os quais perdem em educação, saúde, segurança e qualidade de vida, por exemplo.

O dinheiro fruto da corrupção que abastece os bolsos de políticos, empresários e outros setores tira a oportunidade de milhares de brasileiros que sofrem com a escassez e o descaso dos administradores. Infelizmente, trata-se de prática costumeira no meio, cujo fim não se mostra próximo.

Se causa indignação até mesmo ao Ministro relator da Operação Lava-Jato no STF, que dirá a sociedade brasileira, que já se encontra estarrecida com os escândalos diários. O fato é que a questão ultrapassa as barreiras dos Poderes da República, sendo vergonha nacional e, quiçá, mundial, momento este em que a atuação do Judiciário é a esperança de que tempos melhores estão por vir.

Deixe uma resposta

Comentários