Jornalista

Há profissões que dependem de vocação para serem bem exercidas. Do contrário, é perceptível como ficam comprometidas. Não é uma regra, mas a prática mostra quem realmente nasceu para aquilo ou não.

Existe um profissional que está em todo lugar. É sua missão perguntar, vasculhar, investigar, pesquisar e, acima de tudo, informar. Exercita diariamente a inteligência para praticar cotidianamente o caráter. Acorda cada manhã sem saber o que o aguarda, pois a rotina praticamente não existe.

Enfrenta dificuldades de todos os lados, até mesmo onde atua. Combate a mentira, enfatiza a verdade, enaltece a justiça e propaga a liberdade. E sabe que tudo tem, no mínimo, dois lados.

O dia a dia é mais real, não tão utópico. A voracidade que a teoria incita é amainada na prática. Mas a frustração nunca é tão forte quanto o amor à profissão. Há várias formas de superá-la e praticar aquilo que preza. Sabe que tudo é volúvel e mutável. No entanto, seus princípios e seu caráter continuam firmes e ditam os rumos do seu ofício e do seu futuro.

Não há o pessoal e o profissional. Está 24 horas "ligado". Capta informação em tudo o que vê, ouve e sente. Seja em casa, na rua ou nas férias. Seu trabalho é avaliado por todos, não apenas por quem o emprega e o supervisiona. E isso tem um peso enorme, assim como o erro, o deslize, a desatenção, que podem custar caro. O importante é saber disso e não deixar a soberba tomar conta. A humildade é a voz da alma.

As dificuldades de atuação são muitas, principalmente em relação à atuação coercitiva de muitos inquilinos do poder e também ao mercado oscilante e muitas vezes pouco favorável. O mundo muda a cada dia e a tecnologia revoluciona tudo constantemente, inclusive a comunicação. Hoje qualquer pessoa com um smartphone e conexão à Internet pode reportar um acontecimento, emitir uma opinião, fazer críticas e postar em redes sociais, blogs e sites.

Há quem acredite que o jornal físico, no papel, está fadado a um dia acabar. Mas essa previsão surgiu há tanto tempo que quase ninguém lembra mais dela. O fato é que novas plataformas surgem e isso é bom. No entanto, independentemente do veículo que leve a informação, o papel desse profissional não tem como acabar. Sempre haverá demanda por ele, não há como deixar de existir. Para o bem da sociedade e da democracia.

Ele está em todo o lugar, todos os dias. Mais do que justo ter uma data em sua homenagem. 7 de abril, Dia do Jornalista.