Reforma na cabeça

Uma das principais formas de controle da população sempre foi, infelizmente, o de causar medo. A própria crise econômica é bastante utilizada para fazer com que as pessoas acreditem que somente ela é a culpada de tudo o que ocorre no País, sendo que há outros problemas escondidos sob o tapete. No caso da reforma da Previdência está ocorrendo a mesma coisa. Esta semana, o presidente Michel Temer ameaçou dizendo que "se o Brasil não aprovar a reforma, o País vai quebrar em poucos anos". Que o brasileiro não aceite esse tipo de chantagem.

A reforma da Previdência vem sendo debatida há meses. Alguns políticos, como o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), tentam elevar o nível das discussões, que não ocorrem devido aos traquejos e artimanhas dos políticos, que não dão ouvidos quando alguém sobe à tribuna para falar verdades sobre o pacote, como o fato de apenas o trabalhador comum estar sendo prejudicado e não os servidores ou demais categorias.

No início deste mês, alguns senadores se juntaram e conversaram com o Temer para dizer que a população está pressionando bastante para que eles não aprovem a medida. A reforma não deveria mesmo passar pelo Congresso, não da forma com que ela foi feita, com vantagens para alguns grupos e uma dose carregada que vai modificar drasticamente a vida dos brasileiros daqui para frente.

E o pior de tudo é que esta reforma não vai solucionar o problema da Previdência. Ela vai arrecadar mais e manter as pessoas trabalhando por mais tempo, apenas isso. Esse pacote de medidas não cria mecanismos para evitar o desvio de verbas do FGTS, o pagamento deste benefício pelas empresas ou ainda uma correta forma de aposentadoria igualitária para o brasileiro. O projeto em questão não vai na raiz, nem chega perto. É apenas mais um golpe contra o povo.

É uma pena que nós não estamos conseguindo nos unir e lutar contra essa reforma. A não aprovação no Congresso seria uma enorme vitória do povo. E isso nada tem a ver com a direita ou a esquerda, com o PT ou o PSDB, mas com a força de todos nós. A reforma precisa ser feita para consertar o que está errado e não apenas para aumentar o sofrimento do trabalhador.

Para quem não sabe, a Previdência perde, todos os anos, bilhões que são desviados por corruptos e outros bilhões que não são pagos por empresas, que não são punidas por isso. Ou seja, o trabalhador que acorda cedo e dá seu suor no trabalho não cometeu nenhum erro para causar essa crise. A reforma precisa começar na cabeça dos políticos.