Iluminação pública conta com 18,2 mil lâmpadas substituídas

Mais de 40% das trocas de luminárias ocorridas nas cidades da região foram registradas em Mogi das Cruzes
Mais de 40% das trocas de luminárias ocorridas nas cidades da região foram registradas em Mogi das Cruzes - FOTO: Guilherme Berti/ PMMC
As cidades do Alto Tietê já efetuaram mais de 40 mil trocas de lâmpadas e mais de 10 mil manutenções desde o ano passado, quando a maioria das prefeituras assumiram a gestão da iluminação pública dos respectivos municípios. Algumas cidades assumiram essa gestão no ano passado, enquanto outras se encarregaram pelo serviço desde 2012. Os dados são referentes a seis municípios: Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá e Suzano.

Mais de 40% das trocas de luminárias ocorridas na região foram registradas em Mogi das Cruzes. De acordo com o balanço divulgado pela prefeitura, até o mês passado foram instaladas 339 novas luminárias e trocadas 18,2 mil lâmpadas. Desde que este município assumiu a responsabilidade pela iluminação, mais de 30 bairros foram contemplados com a ampliação da rede, entre eles Botujuru, Biritiba Ussú, Cocuera, Jardim Aracy, Jardim Aeroporto III, Jardim Margarida, Jardim Piatã I, Jundiapeba, Sabaúna, Quantiga, Mogi Moderno, Vila Lavínia e Taboão.

Depois do município mogiano, Itaquá foi o que realizou o maior número de operações relacionadas à iluminação. Desde o final de 2015 foram executadas aproximadamente 16 mil trocas de lâmpadas. A prefeitura ainda anunciou que neste ano iniciará o trabalho de modernização da rede elétrica, com materiais modernos e luzes mais potentes e com menor consumo.

Em Suzano a prefeitura assumiu a gestão da iluminação pública em 2012, e a atual administração municipal informou o balanço das ações realizadas no primeiro trimestre deste ano, período em que foram trocadas cerca de 2 mil lâmpadas. O Parque Municipal Max Feffer também está incluído neste montante. A rede de iluminação do espaço de lazer foi substituída com a troca de luzes de vapor de sódio por vapor metálico, proporcionando maior iluminação, com a renovação de 70% dos pontos de luz do local, segundo informou a Diretoria das Concessionárias, Secretaria Municipal de Manutenção e Serviços Urbanos.

A iluminação também foi renovada nas praças São Judas, no Parque Buenos Aires; na praça Vinte e Um de Abril, Cidade Boa Vista; na rua Dr. Odilon de Souza, no Jardim Imperador e praça Enio Pizzolato, no centro de Suzano.

Em Poá, a prefeitura informou que só tem o levantamento dos serviços realizados neste ano. O serviço é terceirizado e a empresa Citeluz é quem realiza as manutenções necessárias. Só neste ano a concessionária efetuou mais de mil trocas de lâmpadas em todos os bairros. "A nova administração municipal iniciou um forte trabalho de troca de lâmpadas que estavam queimadas. Em locais em que a iluminação é precária, já foi iniciado o trabalho para implantar um novo sistema de iluminação, como foi feito no Terminal de Ônibus no Kemel", informou, por meio de nota.

A Coordenadoria Técnica de Iluminação Pública (CTIP) de Ferraz não passou o balanço sobre trocas de lâmpadas e informou que, desde 2016, não foram executadas ampliações, apenas manutenções em 3.883 pontos em toda a cidade.

Em Guararema foram feitas implantações de 300 luminárias em locais que não tinham iluminação pública. Além disso, foram registradas 7,8 mil manutenções.

CONTATOS PARA SOLICITAçãO DE REPAROS NA REDE DE ILUMINAçãO

Biritiba Mirim                      (11) 4692-4575
Ferraz de Vasconcelos        0800 740 4003
Itaquaquecetuba               (11) 4753-7000
Guararema                          0800 600 1428
Mogi das Cruzes                           156
Poá                                      0800 727 7173
Suzano                                0800 727 7173

TRêS CIDADES GASTAM R$ 600 MIL/MêS

Nos municípios de Suzano, Mogi das Cruzes e Poá, os custos para manter a gestão da iluminação pública fica por conta da municipalidade, que somam mais de R$ 600 mil mensais. Quem paga a conta para que o serviço seja mantido é a população, por meio de um acréscimo na conta de energia elétrica. Nesse caso a concessionária responsável repassa o valor para os cofres públicos. Há administrações que também efetuam a cobrança no carnê do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). Trata-se da Contribuição de Iluminação Pública (CIP), que faz parte de uma determinação do governo federal para que as administrações municipais assumam os custos com a manutenção desse tipo de serviço na cidade.

A gestão da Iluminação também é uma determinação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em que obriga cada município a ter responsabilidade na realização dos serviços de manutenções nas instalações públicas, inclusive o teleatendimento por meio de call center, que é feito pelas concessionárias de energia.

Em Suzano, os custos para manter o serviço chegam a R$ 145.181,25 mensais. Para arcar com os gastos, os munícipes pagam 3% do valor consumido na conta da EDP Bandeirante. Os moradores inscritos na Tarifa Social ficam isentos da cobrança.

Em Mogi das Cruzes, a CIP é cobrada de duas maneiras. O munícipe também paga 3% sobre o valor do consumo de energia na conta e 0,084 Unidades Fiscais do Município (UFM), que é lançado no IPTU anualmente. O município mogiano é o que tem o maior custo para manter a gestão da iluminação: aproximadamente R$ 400 mil mensais.

A taxa da CIP é fixa em Poá e os contribuintes pagam R$ 14,50 por mês. O valor é lançado na conta de energia elétrica. O município tem um custo aproximado de R$ 82 mil mensais para administrar o serviço.

Em Ferraz, a cobrança também é lançada na conta de luz, mas o valor não foi informado. Em Guararema, a cobrança é de 4,5% calculado sobre o valor da conta de luz. Em Biritiba a CIP também é fixa; de R$ 6,50 para residências, cobradas diretamente na conta. (F.F.)

Deixe uma resposta

Comentários