Eventos comemoram o Dia Mundial da Dança

Beatriz Pozo apresenta
Beatriz Pozo apresenta "Miragem ou Realidade" - FOTO: Divulgação
A intervenção e bate-papo sobre processo criativo faz parte da pesquisa e registro do solo "Miragem ou Realidade", da bailarina e coreógrafa Beatriz Pozo, integrante do Coletivo Encontro e Movimento. Em comemoração ao Dia Internacional da Dança, celebrado amanhã, dia 29 de abril, ela se apresenta em Mogi das Cruzes, e em São Paulo. Hoje, às 14 horas, o palco será a Escola Estadual Dr. Washington Luís (rua Dom Antônio Cândido de Alvarenga, 511, centro), e amanhã, às 10 horas, a Livraria Boigy (rua José Bonifácio, 485, também na região central). A entrada é gratuita.  

O objetivo de Beatriz é aproximar o público da dança e estimular o fomento, intercâmbio e diálogo aberto sobre o processo criativo. Para a bailarina e coreógrafa, a dança, assim como a escrita e a leitura, amplia e quebra rótulos, e este é o tema do solo.

Em São Paulo, as apresentações serão no Studio 3 Espaços de Dança (3 de maio, quarta-feira, às 16h30), no Centro de Referência de Dança - CRD - (dia 4 de maio, quinta-feira, 18 horas), e no vão do Museu de Arte de São Paulo, o Masp (dia 7 de maio, domingo, às 15 horas). A  edição, música, voz e tradução da intervenção é uma parceria de Beatriz e Paulo Henrique Caetano. A produção é assinada por Rodolfo Leal e Carla Pozo. 

O solo "Miragem ou Realidade" trabalha questões desde o surgimento da primeira notícia da nossa existência, antes mesmo do nosso nascimento, o que gera a grande preocupação se seremos perfeitos. Entre "Miragem e Realidade", segundo a bailarina, está a busca da perfeição (rótulos) física, emocional, amizade, amores, profissão, entre outros aspectos. "Assim, iniciamos uma busca de idas e vindas, de desejos que se misturam em querer ficar e fugir, com movimentos entre altos e baixos como o ciclo da vida. A escolha de ser 'Miragem' ou 'Realidade' só depende de nós", explica Beatriz.

Carreira

Bailarina, educadora física, musicista e coreógrafa, a profissional ministra aulas de balé e jazz desde 2014 quando completou 18 anos. Foi premiada em festivais e participou de bandas e companhias. Integrante do Coletivo Encontro em Movimento, é apaixonada pela dança, arte e consciência corporal, o que a leva ao constante estudo e pesquisa, no CRD e no Studio 3 Espaço de Dança, nas modalidades de dança afro, dança brasileiras, tango, hip hop, contemporâneo, jazz e clássico.

Beatriz também participa de diversos projetos, espetáculos e workshops com profissionais renomados. E, no ano passado, foi selecionada para o curso de Extensão Teatro Musical na SP Escola de Teatro - Centro de Formação das Artes do Palco, localizada em São Paulo, e convidada a participar da comissão de frente da Escola de Samba X-9 Paulistana, que recebeu nota máxima no Carnaval paulista deste ano.

Atualmente é estudante do curso Pedagogia da Dança na Fundação Theatro Municipal de São Paulo e está no segundo semestre da pós-graduação em Dança e Consciência Corporal.

DATA é CELEBRADA AMANHã

O Dia Internacional da Dança, comemorado amanhã, dia 29 de abril, foi instituído pelo CID (Comitê Internacional da Dança (CID) da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) no ano de 1982. A comemoração no Brasil ainda é recente, porém, cada vez mais artistas e profissionais da área reconhecem que é importante celebrar a data para, inclusive, dar maior visibilidade à dança, lembrar-se de sua importância e de suas demandas.
O dia 29 de abril foi escolhido por ser a data de nascimento do mestre francês Jean-Georges Noverre (1727-1810). Ele ultrapassou os princípios gerais que norteavam a dança do seu tempo para enfrentar problemas relativos à execução da obra. Sua proposta era atribuir expressividade a dança por meio da pantomima, a simplificação na execução dos passos e a sutileza nos movimentos. Noverre se destaca na história por ter escrito um conjunto de cartas sobre o balé de sua época, “Letters sur la Danse”.
Por coincidência, entre os brasileiros a data está associada ao aniversário de uma importante personalidade: a bailarina Marika Gidali, que, com Décio Otero, fundou o Ballet Stagium em 1971, em São Paulo, inaugurando uma nova maneira de se fazer e apreciar dança. Entre os objetivos desta comemoração, está reforçar a importância da dança no público geral, assim como incentivar governos de todo o mundo para fornecerem melhores políticas públicas voltadas a esta arte.