Coletivo EITA! destaca a migração em São Paulo

Grupo resgata história da reurbanização e da construção civil e industrial no País
Grupo resgata história da reurbanização e da construção civil e industrial no País - FOTO: Divulgação
O coletivo EITA! desembarca no Espaço N de Arte e Cultura, em Suzano, neste sábado para uma apresentação especial. O público irá conferir o espetáculo "Mirar, Migrar", que retrata a migração na capital paulista. A apresentação será às 19 horas e os ingressos estão à venda por R$ 12.

A peça conta e canta histórias de um povo trabalhador em busca de uma vida melhor. Uma trupe mambembe retrata a migração para a tão sonhada "Cidade Progresso", em uma encenação que busca e valoriza o olhar crítico e poético sobre histórias pessoais e coletivas. O centro cultural fica localizado na rua José Garcia de Souza, 692, no Jardim Imperador.

O projeto Mirar, Migrar! nasceu do desejo de criar um espetáculo que falasse do processo de migração para São Paulo em uma fase em que o País vivia uma ditadura militar. Quais foram esses desejos que fomentaram essa migração, quais as reações ao se deparar com um sistema político totalmente ditatorial e o que aconteceu durante o percurso da migração, como êxodo rural, que foi uma fuga dos maus-tratos da vida em busca de um oásis mirado como melhoria de vida? Estes são os questionamentos que o Coletivo Eita! Ação Cultural deseja explanar, relevando uma história que teve grande importância na reurbanização de uma capital e na construção civil e industrial do Brasil.

Coletivo

O EITA Ação Cultural é a união de artistas e arte-educadores da dança, música e teatro. Partindo do pensamento de que todo ato é capaz de destruir os muros da razão e de que a arte é uma ferramenta de conscientização e transformação, o coletivo anseia um todo mais igualitário, acreditando no teatro de rua como forma de expressão política e humana.

O grupo pesquisa e experimenta as culturas popular brasileira, afro-brasileira e indígena, além da junção da dança, do teatro, da música e das artes visuais, os espaços alternativos (rua, praça, escola) como possibilidades de encenação e construção de uma cena (Arte) poética com elementos da cultura de periferia.