Ministério Público Federal expressa desejo de aumento da pena no caso do triplex do guarujá

Em parecer encaminhado ao Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, o Ministério Público Federal pede o aumento da pena de 9 anos e 6 meses imposta em primeira instância ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do apartamento triplex na praia do Guarujá. Se os desembargadores acatarem os argumentos do MPF, a condenação a Lula pode superar 21 anos de reclusão.

O ex-presidente foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro por suposto recebimento de R$ 2,2 milhões da OAS por meio do triplex no condomínio Solaris e suas respectivas reformas, bancadas pela empreiteira. Moro entendeu que, neste caso, foi cometido um crime de corrupção e um de lavagem de dinheiro. Na mesma ação, Lula foi absolvido da acusação de que a construtora pagou propinas por meio do armazenamento de bens dele junto à Granero. A sentença dele poderá chegar a 21 anos.