TCE rejeita contas de 2015 de Inho, ex-prefeito de Biritiba

Biritiba Mirim terá um repasse na ordem de R$ 117.804 do governo do Estado
Biritiba Mirim terá um repasse na ordem de R$ 117.804 do governo do Estado - FOTO: Mogi News
Em sessão realizada no dia 26 de setembro, a Primeira Câmara do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE) rejeitou as contas do ex-prefeito de Biritiba Mirim, Carlos Alberto Taino Junior, o Inho, referentes ao ano de 2015.

O parecer desfavorável pode acarretar em graves conseqüências políticas ao ex-mandatário biritibano, já que o julgamento técnico do órgão, deve ser usado como base para a avaliação e a votação das mesmas contas pela Câmara Municipal, com previsão de acontecer a partir do ano que vem.

Diante da recomendação do TCE, se a Câmara de Vereadores seguir o parecer e também rejeitar as contas de Inho, o ex-prefeito ficará inelegível pelo período de oito anos.

Inho foi chefe do Executivo de Biritiba Mirim entre os anos de 2009 a 2016, cumprindo dois mandatos consecutivos.

A Procuradoria do município apura supostos atos irregulares praticados durante a gestão Inho, principalmente no que se refere ao segundo mandato.

Casos de recursos para obras, recebidos por meio de convênios com o governo do Estado, e que foram totalmente gastos, porém sem que as obras tivessem sido concluídas, são alguns dos objetos de apuração por parte do órgão municipal. Os casos que apresentam indícios de irregularidades devem ser encaminhados ao Ministério Público (MP).

Outros problemas

Recentemente, a Prefeitura de Biritiba Mirim também notificou a empresa J. Lopes Construções e Pavimentações que realizou a pavimentação de um trecho da avenida Brasil, no bairro Castellano, no último ano de gestão de Inho, por problemas apresentados na obra, que custou R$ 374 mil para os cofres públicos. O local asfaltado apresenta diversas avarias como buracos, erosão e rachaduras no solo. O prazo de garantia da obra é de um ano. Por esse motivo, ainda de acordo com a Prefeitura, a empresa deve refazer o serviço sem qualquer custo. 

O atual prefeito Jarbas Ezequiel de Aguiar (PV), o Professor Jarbas, comentou a situação e as providências tomadas. "Não podemos mexer na pavimentação, que está na garantia. Esse é mais um caso de problemas na gestão do antigo prefeito, que temos que resolver. Acaba atrasando o desenvolvimento da cidade", disse, na ocasião.

Deixe uma resposta

Comentários