Ministério Público é acionado para reabertura da Pediatria

Conselheira aponta problemas no atendimento
Conselheira aponta problemas no atendimento - FOTO: Mogi News
O Conselho Municipal de Saúde e o Conselho Tutelar de Poá protocolaram no Ministério Público do Estado (MP-SP) uma representação solicitando a reabertura imediata do setor de Pediatria do Hospital Municipal Guido Guida. O pedido está sendo analisado pelo promotor de Justiça Luis Henrique Brandão Ferreira, que pode acatar ou não o pedido feito pelos órgãos.

De acordo com a conselheira Maria Luciana Panão, a representação foi preparada na última terça-feira após o próprio Conselho Tutelar verificar que nem mesmo médicos clínico geral estavam fazendo a avaliação das crianças que chegavam na unidade, conforme havia prometido a administração municipal.

"A triagem que definiria quem seria atendido com urgência e quem seria encaminhado para os postos de saúde estava sendo feita pela equipe de Enfermagem e nós não podemos aceitar isso. Na noite de terça-feira também levantamos que uma criança com 40 graus de febre não recebeu atendimento", explicou.

Segundo Maria Luciana, a situação está muito precária na cidade e por isso o Ministério Público precisou ser acionado. "Sabemos da crise do ISS (Imposto sobre Serviços), da queda da arrecadação, mas ela ainda não aconteceu, então a cidade ainda tem recurso para manter esse serviço", completou.

Em coletiva de Imprensa realizada anteontem, o vice-prefeito e secretário de Saúde, Marcos Ribeiro da Costa (PDT), o Marquinhos Indaiá, afirmou que não apenas a Pediatra seria afetada, mas que outros serviços do hospital também poderiam ser suspensos até o final do ano. O fechamento total do hospital também é cogitado pela Prefeitura de Poá, que afirmar não ter recursos para manter a unidade em operação.

Ainda segundo o chefe da pasta, não se trata de fechamento da Pediatria e sim um redirecionamento do atendimento. Segundo ele, os quatro médicos pediatras que atuavam até o final da semana passada no hospital estão atendendo agora nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), onde já trabalhavam outros 15 profissionais.

Com esse redirecionamento destacado pelo secretário, o setor deixa sim de existir no hospital, que a partir de agora, de acordo com o secretário de Saúde, faz apenas a triagem dos casos mais urgentes com a ajuda de um médico clínico geral.

Deixe uma resposta

Comentários