Cresce invasão nas margens do Tietê em Itaquaquecetuba

Prefeitura diz que área é da Concessionária SPMar que, por sua vez, nega
Prefeitura diz que área é da Concessionária SPMar que, por sua vez, nega - FOTO: Vitoria Mikaelli
Enquanto em Suzano e Poá o problema relacionado às áreas no entorno dos viadutos do Trecho Leste do Rodoanel Mário Covas (SP-21) é o descarte irregular de lixo e entulho, em Itaquaquecetuba a questão é um pouco mais séria. Na rua Nazaré Paulista, às margens do rio Tietê e próximo da nova rodovia, as invasões crescem a cada dia. 

Dezenas de famílias vivem hoje no espaço que, segundo a Prefeitura, é de responsabilidade da Concessionária SPMar, que administra o anel viário. A empresa, por sua vez, informou ao Dat que a ocupação não se encontra em sua faixa de atuação. 

A reportagem esteve na via e verificou a construção de várias moradias de alvenaria na pequena faixa de terra entre a pista e o rio. Algumas casas ainda estão sendo levantadas, enquanto outras já possuem até garagem. A situação é preocupante, pois o risco de futuros alagamentos nessas moradias é grande, além dos "gatos" feitos pelos invasores para levar energia elétrica até as residências bastante precárias. 

Chama a atenção o fato de que as obras acontecem sem qualquer dificuldade. Algumas moradias estão em obras, com a construção de novas paredes, inclusive. Outras já estão terminadas e estão localizadas um pouco mais à frente, onde uma pequena vila ganha forma. 

De acordo com a Prefeitura de Itaquá, a área da rua Nazaré Paulista é de responsabilidade da SPMar e já existe, inclusive, uma ação de reintegração por parte da concessionária. A informação foi desmentida pela empresa, que afirma não ter responsabilidade sobre a área em questão.

Controle

A administração municipal também informou que nos espaços onde é responsável pelo controle de invasões são realizadas ações para tentar evitar que barracos e moradias de alvenaria se instalem.

Os trabalhos de fiscalização em Itaquá são feitos em conjunto com a Guarda Civil Municipal (GCM), através de rondas nas áreas. O caso mais recente, inclusive, foi uma tentativa de invasão em uma área pública no Jardim do Carmo na última semana, impedida pela ação da Prefeitura.

Deixe uma resposta

Comentários