'La Vie En Rose'

Sublime é contemplar, à noite, a Torre Eiffel toda iluminada de cor de rosa, num momento efêmero, em comemoração à luta internacional contra o câncer de mama. Ao mesmo tempo, completando esta sublimidade, ouvir Edith Piaf cantando "La Vie En Rose".

Na última década do século 20, o laço cor-de-rosa foi lançado como símbolo da campanha a fim de conscientizar as mulheres quanto à prevenção do câncer de mama nos Estados Unidos pela Fundação Susan G. Komen for the Cure. Em 1990, em Nova York, este laço foi distribuído aos participantes da primeira Corrida pela Cura, e desde então realizada anualmente. Em 1997, neste mesmo país foi denominado como "Outubro Rosa", por acontecer todo ano nesse mesmo mês. Este movimento de conscientização tornou-se internacional, e hoje vemos esta ação de iluminar de rosa monumentos, prédios públicos, pontes, teatros como meio de sensibilizar a população. Em outubro de 2002, o Obelisco do Ibirapuera foi iluminado de rosa; em maio de 2008 aconteceu na Fortaleza da Barra, em Santos e, posteriormente, no Rio, do alto do Corcovado, a estátua do Cristo Redentor espargia luz rósea sobre a Cidade Maravilhosa.

Vida cor-de-rosa é ter consciência tranquila pelo cuidado que temos com nosso corpo, mente e espírito, para servir melhor àqueles que de nós necessitam.

O tripé para rastreio do câncer de mama: autoexame, consultar anualmente o mastologista e mamografia digital. Uma em cada dez mulheres desenvolverá a doença durante a vida. Temos aproximadamente 60 mil novos casos por ano. Nódulos até 1 cm não são palpáveis, por isso a necessidade da mamografia que consegue identificá-los em até 3 mm de volume. O desenvolvimento do carcinoma de mama é um processo lento; o tumor para alcançar 1 cm tem uma evolução aproximada de 10 anos, então, melhor, além do autoexame, realizar a mamografia preventiva acima dos 35 ou 40 anos, que nos dá um diagnóstico mais precoce de carcinoma não invasivo com cura possível de 100%.