Associação

Recentemente, houve um movimento em um dos bairros de Mogi das Cruzes, no sentido de melhorar a segurança local. De forma simples, objetiva e ordenada, alguns moradores criaram um grupo de WhatsApp, o qual começou a receber integrantes a convite, chegando a um contingente importante que pode, de fato, representar os anseios dos que ali vivem.

A motivação inicial foi a segurança, no entanto, o interessante é que esse pode ser só o começo, visto que a partir dessa necessidade básica que une os residentes, pode-se partir para algo mais abrangente e eficaz, incluindo elementos essenciais à vida em comunidade, como uso e ocupação do solo, educação, saúde e cultura, dentre outros. Quanto à segurança, algumas ações imediatas podem ser tomadas e, realmente, a demanda é urgente, como o melhor policiamento através de rondas, além da iniciativa privada dos moradores, pela implantação de sistemas de segurança eletrônica, cães de guarda, etc.. Por outro lado, a discussão de ajustes na lei do uso e ocupação do solo que propiciem mais vida, movimento, guaritas de condomínios etc, na região, pode significar solução muito mais completa para a segurança geral e ainda ajudar na valorização dos imóveis, mesmo que isto ocorra a médio prazo. É claro que a melhor escolha para produzir tudo isso de forma organizada é criar a famosa associação de moradores, lastreada num bom e equilibrado texto de estatuto que estabeleça os objetivos, direitos e deveres dos associados, sempre no sentido de melhorar a vida no bairro, de forma que o mesmo evolua, sustentavelmente, para favorecer, não só os atuais moradores, mas também, àqueles que vierem, seus filhos, netos e afins.

A associação poderá também ter o seu peso político para produzir reivindicações legítimas e conjuntas, além de promover melhor união entre vizinhos, sempre na direção de, além de cobrar as autoridades, produzir apoio e o cuidado mútuos.

Parabéns pela iniciativa, que ela se consolide e possa ser replicada em outros locais!