Caminhoneiros perdem a força para uma nova greve

Grupo aguarda um posicionamento do presidente
Grupo aguarda um posicionamento do presidente - FOTO: Divulgação
A movimentação dos caminhoneiros para dar início a uma greve nacional neste sábado, dia 30, perdeu força. Se ocorrer, se limitará a paralisações pontuais. A opinião é de Wallace Landim, o Chorão, presidente das associações Abrava e BrasCoop, que representam a classe de caminhoneiros.

Landim, que passou a ter entrada no Palácio do Planalto e tem se reunido com ministros do presidente Jair Bolsonaro, afirmou que Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte estão entre aqueles que já sinalizaram que não aprovam paralisação neste dia 30, para aguardarem uma posição firme do governo sobre os três itens centrais de sua pauta: mais rigor na cobrança de fretes pagos pelos donos da carga, reajuste mensal do preço do óleo diesel e construção das paradas para descanso dos motoristas."É preciso reconhecer que o governo está mobilizado, para nos atender. Por isso, acho que uma paralisação não ajudaria. Bolsonaro deve anunciar um posicionamento nesta semana. Nós apoiamos a eleição do presidente, então é preciso aguardar", disse Landim.

Nas duas últimas semanas, o líder dos caminhoneiros teve reunião em Brasília com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Landim teve encontro com a diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e, no dia 22, se reuniu com o secretário executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio.(E.C.)

Deixe uma resposta

Comentários