Cadastro Positivo

Foi aprovada pelo Congresso Nacional a lei que autoriza a criação do chamado Cadastro Positivo. Agora todos os fornecedores poderão alimentar bancos de dados com as informações dos bons pagadores. São os clientes pontuais com os compromissos financeiros, boletos, operações financeiras e contas de consumo de água, luz e telefone.

Hoje há o cadastro negativo, onde se registram os maus pagadores, sendo os principais a Serasa e o SCPC e agora teremos o cadastro positivo que logo será conhecido pelo nome das empresas que o utilizarem comercialmente, como a Quod. A justificativa para criação do cadastro é a possibilidade de reduzir o custo do crédito e dos juros para quem é bom pagador. Conversa fiada. A aprovação da nova legislação visa atender exclusivamente ao mercado financeiro.

Com a estimativa de obter a informação sobre o comportamento financeiro de mais de cem milhões de brasileiros, bancos e financeiras poderão avaliar o comportamento passado de seus potenciais clientes e avaliar novas contratações com mais segurança e menor risco de calote. Na prática, esse cadastro já existe de maneira informal há muitos, uns chamam de histórico de crédito outros de score e se baseiam em informações compartilhadas entre as instituições financeiras e o cadastro negativo, traçando um perfil do futuro cliente como base em seu passado negativo. Mas as informações só detectam os calotes após as contrações, .

Com o novo cadastro é possível traçar o perfil do cliente com base em seu histórico de pagamentos e não com base em seu histórico. Ninguém é ingênuo para acreditar que, com isso, bancos e financeiras irão reduzir os juros, vão apenas aumentar a própria segurança e os juros daqueles que não estão no cadastro negativo, mas não são bem avaliados no cadastro positivo. Quod é uma empresa criada para operar com o sistema. Os controladores são o Itaú Unibanco, Banco do Brasil, Santander, Bradesco e Caixa, os maiores players do mercado financeiro. O Cadastro Positivo é bom, mas só para os bancos.