Pandemia é o maior desafio após 2ª Guerra

Guterres apela para que as pessoas espalhem bondade e se tratem com dignidade
Guterres apela para que as pessoas espalhem bondade e se tratem com dignidade - FOTO: Divulgação/ONU
A pandemia do coronavírus é a crise mais desafiadora que o mundo enfrenta desde a Segunda Guerra Mundial. É o que aponta a Organização Mundial das Nações Unidas (ONU). De acordo com o organismo internacional, a crise atual tem o potencial de levar a "maior instabilidade, maior agitação e aumento do número de conflitos" pelo mundo. "Isso é muito mais que uma crise de saúde", diz o relatório. "O coronavírus está atacando as sociedades em sua essência."

O alerta foi feito ontem pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, no lançamento de um relatório sobre os impactos socioeconômicos da pandemia e de medidas para combater o coronavírus.

O novo relatório, "Responsabilidade compartilhada, solidariedade global: respondendo aos impactos socioeconômicos da Covid-19", descreve a velocidade e a escala do surto, a gravidade dos casos e a interrupção social e econômica do coronavírus.

Algumas projeções da ONU indicam que o mundo poderá ter 1 milhão de casos confirmados até o fim de semana. "Estamos enfrentando uma crise de saúde global diferente de qualquer outra nos 75 anos de história das Nações Unidas - uma crise que está matando pessoas, espalhando o sofrimento humano", disse o relatório.

"Por um lado, é uma doença que representa uma ameaça para todos no mundo e, por outro, tem um impacto econômico que trará uma recessão sem paralelo, provavelmente no passado recente", disse Guterres.

Assim, "a combinação dos dois fatos e o risco de contribuir para maior instabilidade, maior descontentamento e maior conflito são coisas que nos fazem acreditar que esta é realmente a crise mais difícil que já enfrentamos desde a Segunda Guerra", completou.

Guterres pediu "uma resposta imediata coordenada para suprimir a transmissão e acabar com a pandemia" que "aumente a capacidade dos sistemas de saúde para testes, rastreamento, quarentena e tratamento, mantendo os socorristas em segurança".

Ele ressaltou que os países desenvolvidos devem ajudar os menos desenvolvidos, ou "enfrentar o pesadelo da doença que se espalha como fogo no sul do mundo com milhões de mortes e a perspectiva da doença ressurgir onde foi suprimida anteriormente", enfatizou.

Deixe uma resposta

Comentários