Unctad pede proteção para os consumidores

A pandemia do coronavírus "abriu as comportas" para práticas abusivas, injustas e enganadoras por parte de empresas e, por isso, é preciso que ações mais enérgicas sejam adotadas para garantir os direitos dos consumidores, segundo avaliação da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad, pela sigla em inglês).

Em texto publicado ontem em sua página na internet, a Unctad cita casos de aumento exagerado de preços de itens de higiene essenciais, como máscaras e álcool em gel, e também de produtos básicos para o lar, forçando governos a estabelecer tetos de preço em países como França, Grécia, Índia, Itália, Quênia e Nigéria.

"Essa crise (do coronavírus) gerou muitas práticas empresariais injustas e atividades criminosas. É necessário que ação mais firme seja adotada com urgência para proteger os consumidores", afirmou Teresa Moreira, chefe da divisão de concorrência e consumo da Unctad. Na avaliação do órgão, os comerciantes estão se aproveitamento de um momento frágil dos consumidores para garantir maior lucro. (E.C.)

Deixe uma resposta

Comentários