Na quarentena, dengue não pode ser esquecida

O mês de abril é um dos períodos do ano em que os casos de dengue tendem a ser maiores devido aos fatores climáticos, com as altas temperaturas somadas ao aumento das chuvas intensas. A Secretaria de Saúde de Mogi das Cruzes relembrou que os casos começam a aumentar em fevereiro e o pico dos índices é registrado em abril.

"Neste período é necessário que todas as pessoas estejam atentas aos possíveis focos de dengue que possam existir nas residências, como nos quintais e varandas. Com o decreto da quarentena exigido pelo coronavírus (Covid-19) muitas famílias trabalham diariamente em suas próprias casas e podem impulsionar a prevenção contra o Aedes aegypti", reforçou a Pasta de Saúde.

Cerca de 85% dos focos de proliferação do mosquito encontram-se dentro dos imóveis, de acordo com o Núcleo de Prevenção e Controle de Arboviroses (NPCA) de Mogi. O órgão também pontuou que torna-se imprescindível que os moradores dediquem-se à eliminação de todos os possíveis focos de proliferação do mosquito, causador também do Zika Vírus e Chikungunya.

Em Mogi, 23 pessoas já contraíram dengue neste ano.

De acordo com o secretário de Suzano, Luis Cláudio Rocha Guillaumon, a orientação é para que as precauções necessárias para evitar a dengue sejam intensificadas. Os munícipes precisam estar atentos para não deixar descobertas as caixas d'água, barris, cisternas, piscinas e não deixar água acumulada em garrafas, pneus ou vasos de plantas. "Se possível, realizar a limpeza constante do quintal de suas casas durante a quarentena", recomendou.

Em Suzano, desde o início deste ano já foram registrados cinco casos confirmados de dengue. (T.M.)