Em uma semana, Bom Prato serve mais de 3 mil refeições

O restaurante Bom Prato de Mogi das Cruzes serviu 3.100 refeições em sua primeira semana de funcionamento em horários diferenciados. Desde o dia 1º de abril, todas as unidades do Estado de São Paulo ampliaram seus serviços com a oferta de jantar e abertura aos fins de semana e feriados. A decisão do governo estadual é para atender principalmente pessoas em situação de rua e famílias em extrema vulnerabilidade social durante o estado de calamidade pública decretado para combater a pandemia do novo Coronavírus.

As refeições são servidas em embalagens descartáveis, já que não é possível se alimentar nas próprias unidades. Em Mogi das Cruzes, o Bom Prato fica na rua Professor Flaviano de Melo, 378, Centro.

O número de 3.100 refeições diz respeito apenas ao horário diferenciado (não entra nesta soma as refeições servidas no almoço de segunda a sexta, que é o horário normal de funcionamento). No sábado e no domingo (dias 4 e 5 de abril) também foram servidos 358 cafés da manhã.

Nas unidades do Bom Prato, as refeições custam R$ 1 no almoço, R$ 1 no jantar e R$ 0,50 no café da manhã.

Desde o dia 24 de março todos os 645 municípios do Estado de São Paulo estão em quarentena como forma de prevenção à propagação do Coronavírus. A medida, que inicialmente tinha validade de 15 dias e foi prorrogada até 22 de abril, impõe o fechamento de estabelecimentos comerciais que não estejam entre os serviços essenciais, como alimentação, saúde, abastecimento, limpeza urbana, segurança pública e bancos.

Pelo decreto, todos os comércios que realizam atendimento presencial, incluindo bares, restaurantes, cafés e lanchonetes, devem permanecer fechados. Estabelecimentos que servem alimentos e bebidas em mesas ou balcões só podem atender pedidos por telefone ou por serviços de entrega.

Na área de saúde, ficam isentos da quarentena os hospitais, clínicas médicas e odontológicas e farmácias. Já no setor de abastecimento e serviços, continuam abertos os postos de combustíveis, oficinas mecânicas, transporte público, táxis, transporte por aplicativos, serviços de call center, pet shops e bancas de jornais.

Outros setores que podem continuar oferecendo serviços durante a quarentena são as empresas de segurança privada, limpeza urbana, manutenção e zeladoria, além de bancos, lotéricas e correspondentes bancários, indústrias, construção civil, e lojas de materiais de construção.