Prazo para renegociar dívidas é estendido para 45 dias

A direção da Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC) comunica a medida que altera, temporariamente, o processo de negativação de consumidores no Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) e abre mais prazo para a renegociação de dívidas. A partir de amanhã o processo para inclusão na lista de inadimplentes se dará em 45 dias a partir da comunicação ao devedor e não mais em 20 dias, como acontece hoje.

A medida determinada pela Associação Nacional dos Bureaus de Crédito (ANBC), válida pelo período de 90 dias, faz parte das ações adotadas pelos credores em geral para repactuação do crédito em meio à pandemia do novo coronavírus. "Na prática, devedores e credores terão um prazo maior para renegociar a dívida e, assim, evitar o processo de negativação, que implica na restrição de crédito ao consumidor e no desfalque financeiro para o credor por um período que pode se estender por anos. Tudo o que não precisamos num momento crítico como o atual", aponta o vice-presidente da ACMC, Silvio José de Moraes, diretor do SCPC Mogi.

A decisão de prolongar o prazo de negativação tem o objetivo de proporcionar o tempo necessário para as renegociações diretas entre as partes e, desta forma, garantir a proteção de consumidores e empresas. Por conta da pandemia, inúmeras empresas tiveram as atividades suspensas, assim como trabalhadores foram dispensados e os efeitos disso deverão ser drásticos na economia. "O crédito é um instrumento essencial na economia, principalmente na retomada das atividades. Por isso, a importância de manter as possibilidades de renegociação dos débitos de forma responsável para que, tão logo essa pandemia seja controlada, os negócios possam ser restabelecidos mais rapidamente", avalia o vice-presidente da ACMC.

O SCPC Mogi funciona numa parceria da ACMC com a Boa Vista Serviços, que tem atuação nacional, e oferece uma série de ferramentas para apoiar as empresas na análise de crédito e na redução dos riscos de inadimplência, assim como disponibiliza orientações aos devedores para regularização dos débitos.

Atualmente, o banco de dados do SCPC Mogi possui 14.247 consumidores negativados e, portanto, com restrição ao crédito. A dívida acumulada é de
R$ 13,7 milhões.