Paciente se revolta com hospital após perda da filha

O casal poaense, Rafael Mendes dos Santos, de 26 anos, e a esposa, Paloma Pereira da Silva, 21, vão processar a Santa Casa de Misericórdia de Mogi das Cruzes por suposta negligência médica durante o parto normal da filha do casal, morta no dia 9 deste mês. A administração médica, por sua vez, alegou que sempre prezou pelo bom atendimento.

O marido Rafael Mendes procurou a reportagem e explicou que a esposa passou por diversas situações de negligência no hospital. "No dia 3 deste mês, a minha esposa estava com dores por conta da gestação, fomos até a Santa Casa para tentar interná-la, mas o exame de toque apresentou apenas um dedo de dilatação. Fizeram ela andar duas horas para forçar dilatação, mas não houve efeito. Voltamos para casa e repetimos isso por três dias", explicou.

Posteriormente, o casal retornou no dia 9 ao hospital, quando a bolsa de Paloma estourou. Segundo o marido, a equipe médica a deixou por uma hora no corredor com a bolsa estourada antes do início de trabalho de parto. "A opção de realizar cesariana não foi escolhida pelos médicos, mesmo sendo requisitada pela paciente", contou Mendes. "Durante a operação, não houve o cuidado necessário. Após várias tentativas de tirar a criança, nosso bebê acabou morrendo engasgado com um nó no cordão umbilical e também por uma terceira causa desconhecida, segundo informações da declaração de óbito", completou Mendes.

*Texto supervisionado pelo editor.