Roubo de veículos cai, mas os casos de furto sobem em Mogi

Possibilidade surgiu após o início da pandemia de coronavírus no Brasil
Possibilidade surgiu após o início da pandemia de coronavírus no Brasil - FOTO: Mariana Acioli
A tendência de queda no número de furtos de veículos, compensada pelo aumento da quantidade de roubos de automóveis registrada nos dois primeiros meses deste ano, em Mogi das Cruzes, foi confirmada com os dados do último levantamento realizado pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) divulgados na tarde de ontem.

De acordo com a Pasta, houve queda de 33,3% no número de roubo de carros na comparação entre os registros do primeiro trimestre deste ano com igual período de 2019. Entre janeiro e março deste ano, 48 pessoas tiveram seus veículos subtraídos, ao passo que no ano passado 72 delitos do tipo foram registrados nas delegacias de Mogi.

Situação contrária em relação ao furto de veículos, onde foi registrada elevação de 23,9%. Foram 146 furtos de carros e motos nos três primeiros meses do ano passado, enquanto 181 crimes do gênero ocorreram nos limites de Mogi.

Vale ressaltar que a diferença entre os dois está na forma como o criminoso efetua o crime. Enquanto nos furtos a vítima não está presente no momento da ação criminosa, nos roubos o assaltante aborda a vítima e subtrai o pertence.

Demais cidades

Os dados individuais de Mogi relacionados ao furto de veículos contrariam a tendência apresentada nas cidades mais populosas da região - Mogi, Itaquaquecetuba, Suzano, Ferraz de Vasconcelos e Poá - grupo chamado G5 do Alto Tietê. Nestes municípios a redução foi de 3%, passando de 704 para 681. Além de Mogi, Ferraz de Vasconcelos também apresentou aumento no número de furtos de automóveis, de 78 para 105 ocorrências do tipo - aumento de 34,6%.

Homicídios

Ainda de acordo com o levantamento da SSP, foi registrada certa estabilidade nos dados comparativos do primeiro trimestre em relação à quantidade de assassinatos registrados em Mogi. Assim como nos três primeiros meses do ano passado, sete pessoas foram assassinadas no município.

O levantamento indica ainda que o número de homicídios em Itaquaquecetuba, no primeiro trimestre deste ano, é 120% superior ao mesmo período de 2019, a mais alta elevação da região. Foram registrados 11 mortes violentas em Itaquá entre janeiro e março deste ano, ao passo que no ano passado cinco pessoas foram mortas. O aumento registrado no município vai ao encontro a elevação do G5 do Alto Tietê, onde houve salto de 20 para 31 mortes - aumento de 55%, segundo a SSP.

Deixe uma resposta

Comentários