Caos

A quem interessa o caos? Quem vem agindo para que o caos se instale em nosso país? Por que não adotar medidas e seguir o protocolo?

O que assistimos no Brasil hoje é um conflito de ideias que visam apenas o próprio interesse e não o bem comum. O presidente da República sabe que o isolamento é a única opção, mas prega exatamente o contrário. Não disse uma ou duas vezes que mortes ocorrerão, mas prega que tudo continue normalmente. Contraria a recomendação da OMS e de seu ministro da Saúde, além dos governadores e prefeitos do Brasil.

Com a quarentena há um forte impacto econômico para todos, mas com ela se procura evitar o caos. Caso o vírus se propague, milhares de pessoas necessitarão de atendimento médico de forma simultânea. A rede pública não tem condições de atendimento mesmo quando tudo está normal.

A rede privada trabalha sempre no limite, ambas não suportariam qualquer acréscimo em sua demanda. Não há sequer álcool em gel e máscaras para os trabalhadores da saúde, não há testes para Covid-19, não há leitos de UTI e respiradores, não há estrutura para receber repentinamente milhares de vítimas simultâneas. Se isso ocorrer, milhares morrerão em suas casas, nas portas de hospitais e dentro deles também. Basta assistir o que já vivem os italianos, os espanhóis e agora os norte americanos.

O caso é gravíssimo, ninguém está brincando. A quarentena deve ser mantida não porque é a melhor estratégia, mas porque é a única estratégia. A única defesa, que o Brasil e mundo inteiro têm é a não contaminação em massa. Uma vez contaminada, a pessoa só conta com duas armas, sua própria imunidade e, se existir, uma vaga em unidade de terapia intensiva, com um respirador artificial. Para o presidente Jair Bolsonaro o caos interessa, por isso vem insuflando os caminhoneiros, pregando o desabastecimento e disseminando fake news tentando criar um ambiente de caos onde possa sobreviver com bravatas e frases de efeito. Diante da adversidade que se instalou, onde se exige liderança e comando Bolsonaro revelou quem realmente é.