Carlos Decotelli deixa MEC por suspeita de fraude em currículo

Inconsistências na titulação de Carlos Decotelli irritaram o presidente Bolsonaro
Inconsistências na titulação de Carlos Decotelli irritaram o presidente Bolsonaro - FOTO: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
O economista Carlos Alberto Decotelli, nomeado ministro da Educação semana passada, deixou o governo ontem antes mesmo de tomar posse. Após seu currículo ter sido questionado por universidades estrangeiras e pela Fundação Getulio Vargas (FGV), o governo pediu que ele entregasse carta de demissão, aceita em seguida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Decotelli ficou cinco dias no cargo. Foi o terceiro a assumir o MEC em um ano e meio de governo.

O Planalto não informou o substituto de Decotelli e analisa vários nomes para um anúncio o mais rápido possível (veja ao lado).

Decotelli confirmou, em entrevista à CNN, que a gota d' água para o pedido de demissão foi a nota da FGV desmentindo que ele seria professor da instituição, como o Estadão adiantou. Segundo ele, a fundação mentiu. Procurada, a FGV disse que reitera as informações dadas anteriormente, de que ele "foi professor colaborador dos cursos de formação executiva".

Na nota, a FGV informa que Decotelli não foi pesquisador ou professor da instituição. Bolsonaro se irritou ao saber de nova incoerência no currículo do indicado, que já teve doutorado e pós-doutorado questionados por universidades estrangeiras e é acusado de plágio no mestrado, o que Decotelli também nega.

O governo, então, passou a pressioná-lo para que apresentasse a carta de demissão. Ele perdeu apoio do grupo militar que o indicou ao governo. Segundo o texto da FGV, cursou mestrado na instituição, concluído em 2008, "atuou apenas nos cursos de educação continuada, nos programas de formação de executivos e não como professor de qualquer uma das escolas da Fundação".

A situação é comum na instituição em cursos lato sensu, como MBAs. Professores são chamados como pessoa jurídica e atuam só em períodos específicos e não integram o corpo docente permanente da instituição. "O presidente disse que se até a FGV estava negando que fui professor era inviável continuar", disse Decotelli na entrevista à CNN.

Segundo o jornal O Estado de S.Paulo apurou, a nota da FGV abalou o economista. Para ele, houve uma "construção fake da FGV", já que ele atuava na instituição de ensino, segundo ele, "há 40 anos".

Deixe uma resposta

Comentários