Fase 3 do Plano São Paulo ainda gera dúvidas

O Comitê Gestor Municipal de Retomada Gradativa de Atividades Econômicas se reuniu ontem com proprietários de restaurantes, lanchonetes, pizzarias , padarias e com a Comissão Especial de Vereadores (CEV). O comitê se comprometeu a analisar as demandas do grupo, principalmente sobre a possibilidade de determinação de três horários de funcionamento para cada sub-setor da categoria e o conceito sobre a possibilidade do atendimento ao público ar livre.

Bares e restaurantes, assim como salões de beleza, poderão retomar as atividades na fase amarela do Plano São Paulo, de acordo com o que for definido para a região hoje, pelo governo do Estado. Pelo decreto estadual, nesta etapa os estabelecimentos deverão atender clientes ao ar livre, com 40% de sua capacidade e com duração de apenas seis horas (ininterruptas). Os serviços de drive thru e delivery podem continuar a ser feitos sem limitação de horário.

Os proprietários de estabelecimentos do ramo questionaram se havia a possibilidade de liberação da categoria de acordo com o tipo do estabelecimento. Por exemplo, no período do almoço, abririam os restaurantes, enquanto `a noite, pizzarias e, assim, de acordo com cada setor.

O conceito de funcionamento ao ar livre é o que mais vem causando polêmica aos bares e restaurantes. A própria Prefeitura afirmou que está questionando o governo do Estado para ter mais detalhes sobre esse regramento. Ainda não está bem explicado se apenas os bares e restaurantes que contam com área externa (sem teto) poderão reabrir, ou se estabelecimentos com aberturas laterais também estarão incluídos nesta nova fase de retomada.

O vice-prefeito Juliano Abe (MDB), responsável pelo comitê municipal, apresentou o trabalho feito pelo grupo e os indicadores que são utilizados de acordo com a fase do Plano São Paulo. "O objetivo não é acelerar a retomada, nosso objetivo é acelerar a curva de aprendizado dos protocolos sanitários, a partir das contribuições de vocês para aperfeiçoarmos este documento", disse. No entanto, ainda falta uma resposta mais certeira sobre o atendimento ao ar livre. Caso a retomada de restaurantes dependa de estabelecimentos com espaço externo (sem teto), uma minoria de comerciantes poderão reabrir nesse momento (caso o governador João Doria eleve Mogi das Cruzes à terceira fase, hoje)

No caso de restaurantes self-service, o Departamento de Vigilância em Saúde, representado pela diretora Paula Mateus Santos, explicou como deverá funcionar o sistema. "Os estabelecimentos que queiram que o cliente se sirva devem ter o protetor salivar e disponibilizar luvas para os clientes. Caso contrário, deve reservar um funcionário para fazer essa tarefa (servir os clientes)", explicou.

A praça de alimentação do shopping continua com atendimento presencial fora de funcionamento, visto que não serve alimentos ao ar livre.

A reunião contou com a participação do presidente da Câmara Municipal, Sadao Sakai (PL), dos integrantes da CEV os vereadores Marcos Furlan (DEM) e José Francimário Vieira de Macedo (PL), o Farofa, do secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Social, Simei Baldani, secretário municipal. (F.A.)