Prefeitura e Caixa discutem crédito para empreendedores

O prefeito Marcus Melo (PSDB) se reuniu ontem com o superintendente executivo de varejo da Caixa Federal na região, Rodrigo Lopes de Souza Pinto, para discutir as linhas de crédito disponíveis para micro e pequenas empresas durante a crise causada pelo coronavírus. O superintendente participou de uma videoconferência com representantes de entidades da cidade para explicar o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe).

"Auxiliar as empresas de Mogi com informações sobre como acessar crédito durante esta crise é uma das ações que fazem parte do Plano de Retomada Econômica, que está sendo desenvolvido. Proporcionar este contato direto da Caixa com as entidades representativas faz parte deste esforço da Prefeitura para multiplicar o acesso às informações e ajudar na manutenção dos negócios, dos empregos e da renda dos mogianos", destacou Melo.

Durante a videoconferência, o superintendente da Caixa explicou a estrutura do banco em Mogi e duas linhas de crédito, o Pronampe e o Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas (Fampe). "A Caixa vem se colocando como uma instituição para minimizar os impactos criados pela pandemia. A proposta é passar as informações sobre as linhas de crédito e como estamos estruturados para atender as empresas", disse Souza Pinto, que esteve acompanhado do gerente geral da agência central da Caixa, Rafael Borges Domingos.

A iniciativa foi bem recebida pelos participantes. "Os resultados que a Caixa apresenta em Mogi e região são referências para todo o Estado", afirmou o gerente regional do Sebrae-SP, Sérgio Gomik. O secretário de Desenvolvimento Econômico e Social, Simei Baldani, os diretores da secretaria Cláudio Costa e Luiz Carlos Pinheiro, o presidente da Câmara, Sadao Sakai (PL), e o vereador Pedro Komura (PSDB) também participaram da reunião.

Linhas de crédito

O Pronampe foi criado em 16 de junho para garantir recursos ao estímulo e fortalecimento dos pequenos negócios, além de manter os empregos, já que essa é uma das exigências para que a empresa possa contratar o crédito. A linha é aberta a Microempreendedores Individuais (MEI), micro e pequenas empresas com faturamento de até R$ 4,8 milhões. A contratação pode ser feita até 19 de agosto, período que pode ser prorrogável por três meses, conforme decisão do programa.

O Pronampe tem carência de oito meses e prazo de pagamento de 28 meses após a carência. A taxa de juros é formada pela Taxa Selic mais 1,25% ao ano. Atualmente, com a Selic fixada a 2,25%, o valor a ser pago é de 3,5% ao ano. O interessado pode contratar até 30% de sua receita bruta anual calculada com base no exercício de 2019.

Já o Fampe é uma linha de crédito lançada pelo governo federal em abril e é uma parceria entre a Caixa e o Sebrae. É voltada a MEIs, micro e pequenas empresas com faturamento de até
R$ 4,8 milhões. O valor máximo é de R$ 12,5 mil para os MEIs, R$ 75 mil para as microempresas e
R$ 125 mil para as empresas de pequeno porte. A carência é de nove meses para os MEIs e de 12 meses para as demais empresas beneficiadas.

Deixe uma resposta

Comentários